UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

16/07/2009 - 12h17

Pelo 3º mês consecutivo, cai custo de vida nos EUA

EFE
Washington, 16 jul (EFE).- O custo de vida diminuiu nos Estados Unidos em junho pelo terceiro mês consecutivo, apesar de que, há um ano, a inflação foi de 1,1%, informou hoje o Departamento do Trabalho.

O relatório mostrou que no mês passado o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) recuou 0,1%. No entanto, excluídos os preços mais voláteis de energia e alimentos, o núcleo da inflação foi de 0,2%.

O núcleo da inflação de junho de 2009 foi de 0,9%, a menor taxa desde 1966, mas a maior desde outubro de 2009.

O IPC é a mais ampla das três medições de preços realizadas pelo Departamento do Trabalho, porque inclui bens e serviços.

Quase 60% do IPC cobre os preços que os consumidores pagam por serviços que vão desde passagens de avião a ingressos de cinema e consultas médicas.

O ritmo anual de inflação foi de 1,1% em junho, após ter alcançado 2% no mês anterior, e se mantém confortavelmente nas margens de aumento de preços considerados aceitáveis pelo Federal Reserve.

Estes dados, combinados, mostram que o Federal Reserve (Fed, banco central americano) ainda tem margem para continuar com sua política monetária generosa, que tem as taxas de juros abaixo de 0,25%, e aliviam as preocupações de alguns analistas que temem uma deflação.

Após quatro trimestres consecutivos de contração, na recessão mais profunda e prolongada de sete décadas, a economia dos EUA voltou a crescer em meados do ano passado, mas nos últimos dois meses deu sinais de que está perdendo ímpeto.

Os responsáveis calculam que o ritmo de inflação se manterá baixo por vários meses, devido à lenta recuperação da atividade econômica, o impacto das execuções hipotecárias e o precário crescimento do emprego.

A meta do Fed é manter a inflação em cerca de 2% e contribuir para uma redução do desemprego.

Apesar da reativação, se mantém em quase 10% o índice de desemprego e a economia não tem vigor suficiente para recuperar os mais de 8,4 milhões de postos de trabalho perdidos desde que começou a recessão em dezembro de 2007.

Outro relatório do Departamento do Trabalho mostrou hoje que os salários semanais médios caíram 0,2% em junho. Desde o início do ano, essas remunerações subiram apenas 1,7%.

A diminuição do IPC em junho foi a terceira queda mensal consecutiva e esteve dentro do esperado pela maioria dos analistas.

A crise da dívida na Europa diminuiu o valor do euro e provavelmente seguirá contribuindo para uma baixa inflação nos EUA por vários meses, já que um dólar mais forte torna os produtos importados mais baratos.

Como resposta ao persistente desemprego e débil crescimento das remunerações, muitas companhias americanas intensificaram suas reduções de preços e ofertas especiais para atrair clientes.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host