UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

24/07/2009 - 04h32

China combate com precariedade pior vazamento de petróleo de sua história

EFE
Pequim, 24 jul (EFE).- A precariedade dos meios materiais utilizados e a falta de recursos arrefece o recolhimento das 1,5 mil toneladas de petróleo derramadas no fim de semana passado no litoral de Dalian, ao nordeste da China, no pior incidente com estas características já registrado no país asiático.

A tripulação de alguns navios pesqueiros na região chegou a recolher petróleo usando palitos chineses e até mesmo com as próprias mãos, publicou hoje o jornal oficial "China Daily", enquanto ONGs reivindicam mais e melhores medidas para combater a contaminação.

Há dias, no entanto, o Governo chinês mantém silêncio sobre a evolução da maré negra. O Governo não chegou a confirmar oficialmente se o acidente é maior ou menor que as 1,5 mil toneladas estimadas em um primeiro momento pela televisão estatal "CFTV".

Os últimos dados oficiais, de quinta-feira passada, se limitam a indicar que a mancha alcança os 430 quilômetros quadrados de superfície em águas do Mar Amarelo, mas não detalha a quantidade de petróleo retirado.

"Pedimos com urgência ao Governo (chinês) que envie pessoal treinado e material seguro para trabalhar no processo de limpeza", ressaltou Greenpeace em comunicado, no qual aponta que a maior parte das tarefas de retirada de petróleo será realizada sem qualquer proteção.

A organização lamenta que não tenha sido fechado o acesso às praias poluídas e ainda esteja sendo permitido o banho em áreas próximas, expondo os cidadãos a riscos.

Conforme a agência oficial "Xinhua" informou que mais de 1 mil de navios trabalham na extração do petróleo, entre estes 40 navios especializados, aos quais se acrescentou um contingente de 2 mil soldados do Exército.

As equipes utilizam dezenas de toneladas de um azeite especial com bactérias que dilui o petróleo, além de outros agentes químicos absorventes. Uma barreira de 15 mil metros foi erguida para conter o avanço da mancha.

Os trabalhadores, voluntários e bombeiros responsáveis pela limpeza do acidente estão enfrentando um complicador meteorológico: as rajadas de vento e chuva, que provocam a expansão da mancha.

Na terça-feira, um bombeiro acabou morrendo durante os trabalhos de limpeza. O homem, identificado como Zhang Liang, 25 anos, se afogou apanhado pelo petróleo ao cair de um navio.

Como divulgado ontem, a causa do acidente foi o uso inadequado de um catalisador para acelerar a entrada do petróleo nos oleodutos, que provocou a explosão e consequentemente o vazamento.

A administração estatal de segurança laboral e o ministério da segurança pública realizaram investigações sobre a explosão ocorrida em 16 de julho e concluíram que um deficiente emprego da substância dessulfurizadora desencadeou a tragédia ambiental.

Este agente químico causou a primeira explosão em um dos oleodutos, de 90 centímetros de diâmetro, cujas chamas se propagaram para outro encanamento paralelo ao primeiro.

O acidente se desencadeou justo depois que deixasse o recinto "Cosmic Jewel", um petroleiro de bandeira liberiana e propriedade de uma empresa singapurense que acabava de descarregar pelos condutos 300 mil toneladas de petróleo, a maior parte de origem venezuelana.

As autoridades retêm a embarcação enquanto durar a investigação, que também encontrou procedimentos equivocados no sistema anti-incêndios que impediram o fechamento das válvulas de emergência do oleoduto após a explosão.

A proprietária do oleoduto e das instalações é Petrochina, filial da estatal China National Petroleum Corporation (CNPC), que, pela lei local, é o responsável de manter a segurança do conduto.

Sete dias depois do vazamento, o porto de Xingang, cenário do incêndio, reabriu parcialmente a descarga de petróleo.

Dalian é uma importante cidade litorânea do nordeste da China, com mais de 6 milhões de habitantes, e conta com o segundo maior porto de mercadorias do gigante asiático.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host