UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

29/01/2010 - 17h46

Assessor econômico de Obama diz que ainda é cedo para comemorar recuperação

EFE
Davos (Suíça), 29 jan (EFE).- O principal assessor econômico de Barack Obama, Larry Summers, alegrou-se hoje com os últimos números da economia americana, mas alertou que ainda é cedo para comemorar e defendeu a regulamentação do sistema bancário proposta pelo presidente dos Estados Unidos.

"Esses números também não significam que tenhamos que abrir uma garrafa de champanhe. Temos um sério problema de desemprego e um crescimento muito lento das rendas médias (das famílias)", afirmou durante seu discurso em uma das sessões do Fórum Econômico de Davos (Suíça), que ocorre nesta semana.

Foi divulgado hoje o crescimento de 5,7% do Produto Interno Bruto (PIB) americano no quarto trimestre de 2009.

Summers acredita que esse crescimento ajudou o país a "sair da beira da depressão", mas deixou claro que ainda há muito a fazer.

"Necessitamos fazer muito mais. Primeiro é o crescimento do PIB, depois vem o número de horas que as pessoas trabalham, depois virão os níveis de emprego e em seguida virão os níveis de desemprego. Ainda nos resta muito caminho a percorrer", ressaltou.

Em relação aos bancos e à necessidade de regulá-los, Summers se mostrou convencido de que é preciso empreender uma ampla reforma.

"Este é um sistema cuja regulação tem que ser profundamente reformada, e há alguns imperativos claros", disse.

Em primeiro lugar, citou a "proteção dos clientes", e disse que deverá ser um sistema que restrinja a quantidade de risco que as grandes instituições financeiras assumem.

Summers insistiu que os bancos devem estar comprometidos com seus clientes, pois "não há necessidade de atividades que não tenham relação com estes, que sejam puramente especulativas".

O assessor disse que os bancos "devem pensar com cuidado em suas obrigações com seus clientes. O sistema esteve à beira do colapso por descuidar dos padrões de créditos. Nesse sentido, aqueles que se beneficiaram da intervenção dos Governos têm obrigações".

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host