UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

17/02/2010 - 18h08

Cimenteira portuguesa Cimpor rejeita aumento da oferta da CSN

EFE
Lisboa, 17 fev (EFE).- A cimenteira portuguesa Cimpor, que na Espanha controla Corporação Noroeste, rejeitou hoje a oferta pública de aquisição (OPA) da Companhia Siderúrgica Nacional do Brasil (CSN) depois de a empresa aumentar na semana passada o preço inicial que também não foi aceito.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) de Portugal, os administradores da Cimpor consideram que continua sendo "baixo" o preço de 6,18 euros por título oferecido no último dia 12 de fevereiro pela CSN, que abriu sua oferta em 5,75 euros por ação.

Em uma nota posterior, a Cimpor informou à CMVM que outra empresa brasileira, Votorantim Cimentos, controla agora 30,84% de seu capital, após três operações realizadas nas últimas duas semanas.

A empresa assumiu primeiro 17,28% do capital da Cimpor mediante uma operação de permuta de ações com a cimenteira francesa Lafarge e comunicou hoje à CMVM que comprou 3,93% da empresa Cinveste, ao preço de 5,85 euro por título.

Segundo informou pouco depois a Cimpor, essas duas operações e os acordos estabelecidos entre a Votorantim e a estatal Caixa Geral de Depósitos (CGD), o maior banco de Portugal, que controlava 9,6% de Cimpor, significa que a empresa brasileira tem 30,84% dos direitos de voto da cimenteira portuguesa.

Com relação à oferta em curso da CSN, que também reduziu de 50% para 33% o mínimo do capital disposta a comprar, Cimpor assinalou hoje que as aquisições de suas ações nos últimos dias chegaram ao preço mais elevado, de 6,5 euros.

Para o conselho de administração da cimenteira portuguesa, a entrada de CSN poderia também afetar à liquidez futura de suas ações.

Os administradores da Cimpor asseguraram na reunião da segunda-feira que todos os membros do conselho (exceto um) reiteraram a intenção de não vender por esta oferta.

No último dia 10 de fevereiro, uma terceira empresa brasileira, a Camargo Corrêa de São Paulo, comprou da construtora lusa Teixeira Duarte outros 22,17% do capital da Cimpor - a 6,50 euros por ação - e dois dias depois adquiriu ao mesmo preço da empresa espanhola Bidaposa 6,46% de ações, que elevou sua participação a 28,63%.

A OPA da CSN começou em 28 de janeiro e estará aberta até o dia 22 de fevereiro, cinco dias além do previsto.

A oferta da empresa brasileira é avaliada em 4,150 bilhões de euros a Cimpor, cujos títulos fecharam hoje em baixa na bolsa de Lisboa (5,80 euros) após ultrapassarem na semana passada os 6 euros.

Na companhia lusa, que está entre as dez primeiras do setor em nível mundial, também participam o empresário português Manuel Fino, com 10,7%; o Banco Comercial Português (BCP, participado pelo Sabadell da Espanha), com 10%, e a estatal Caixa Geral de Depósitos (CGD), com 9,6%.

Cimpor obteve um lucro de 219 milhões de euros (US$ 313 milhões) no último ano divulgado (o de 2008) e opera em 13 países da Europa, Ásia, América do Sul e África.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host