UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

17/02/2010 - 17h03

Venezuela punirá desperdício de água com novas multas e suspensão do serviço

EFE

Caracas, 17 fev (EFE).- O Governo venezuelano punirá a partir de 1º de março o desperdício de água com aumentos na tarifa e com a suspensão do serviço, como parte de um plano para preservar as reservas perante a forte e prolongada seca no país, informou nesta quarta-feira a imprensa local.

O governo do presidente venezuelano, Hugo Chávez, implementa cortes programados de água e luz desde novembro e janeiro, respectivamente, como parte de um plano de economia para enfrentar a crise energética que afeta especialmente o setor elétrico.

Alejandro Hitcher, ministro do Ambiente e presidente da estatal Hidrocapital, que abastece Caracas, disse em entrevista ao jornal "Últimas Notícias" que o novo aumento tarifário será aplicado por cada metro cúbico consumido em excesso, e os cortes punirão os reincidentes nessa conduta.

O ministro acrescentou que, no caso residencial, se estabeleceu uma dotação mensal de 40 metros cúbicos de água por moradia a um custo de 1 bolívar (US$ 0,23) por metro cúbico.

Cada metro cúbico acima desta dotação e até os 100 metros cúbicos custará 3,50 bolívares (US$ 0,81) por metro cúbico, e a tarifa aumentará para 5 bolívares (US$ 1,16) por metro cúbico quando o consumo superar os 100 metros cúbicos.

Esse esquema se repete para as tarifas comercial e industrial, esta última com variantes porque foi classificada entre as categorias "A", para as empresas que têm a água como "insumo essencial", e "B", para as que não o têm.

"Para as pessoas a quem não importe pagar o excesso e continuem desperdiçando água, o serviço será cortado", declarou Hitcher ao "Últimas Notícias".

O ministro afirmou que o nível dos reservatórios venezuelanos "continua crítico" devido à seca, a pior em 45 anos segundo dados oficiais, e que por isso o Executivo insiste na economia do recurso.

Hitcher esclareceu que, no caso de Caracas e seus arredores, existem "reservas para 370 dias, supondo que não se perca nem uma gota d'água, o que não significa que se possa fazer uso irracional do serviço".

O presidente Chávez decretou na semana passada estado de "emergência elétrica" perante a crise que atinge o setor e ameaça deixar o país às escuras a curto prazo.

As medidas de emergência incluem cortes programados do serviço, aplicados desde janeiro passado, assim como um plano de economia em Caracas com penas pecuniárias e até a suspensão do serviço.

O Governo atribui a crise elétrica à forte seca, enquanto a oposição a culpa o governo pela suposta falta de previsão e investimento no setor durante os mandatos de Chávez, que já completou uma década no poder.

 

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host