UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

26/02/2010 - 05h25

Obama pede acordo sobre o orçamento a líderes do Congresso

(Embargada até as 8h de Brasília).

Washington, 26 fev (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, se mostrou neste sábado disposto a estudar qualquer proposta séria para reduzir o déficit, mas incentivou os líderes do Congresso a obter um acordo sobre o financiamento do Governo para evitar seu fechamento.

"Na próxima semana, o Congresso se centrará no orçamento temporário. Pelo bem dos nossos cidadãos e da nossa economia, não podemos permitir que esta paralisação prevaleça", afirmou em sua tradicional alocução dos sábados.

"Tanto os líderes democratas como os republicanos no Senado e na Câmara de Representantes disseram que consideram importante que o Governo possa seguir funcionando enquanto tentam chegar a um acordo sobre um plano para reduzir nosso déficit a longo prazo", lembrou aos legisladores.

Por isso, Obama incentivou-os a encontrar um "terreno comum" para que o país possa progredir e não impeça o crescimento econômico.

"Não será fácil. Haverá muito debate, desacordos e nenhum partido conseguirá tudo o que quer; as duas partes têm que ceder", assinalou Obama, ressaltando que não quer que o Congresso corte os investimentos em educação, inovação e infraestrutura, porque são absolutamente necessários para uma economia competitiva.

À meia-noite da próxima sexta-feira vencerá uma medida aprovada para financiar temporariamente as operações do Governo federal. Se republicanos e democratas não conseguirem aprovar pelo menos uma medida temporária, o Executivo terá que fechar por falta de dinheiro.

O último fechamento das agências federais ocorreu durante o mandato de Bill Clinton, por dois dias em novembro de 1995, e depois por outros 21 dias até janeiro de 1996.

A iminente ameaça de fechamento do Governo federal parecia preocupar na sexta-feira os republicanos, que controlam a Câmara de Representantes e na sexta-feira propuseram uma medida temporária que os democratas podem aceitar.

A medida permitiria ao Governo dos EUA seguir operando durante mais duas semanas, até 18 de março.

A ideia é dar tempo para que republicanos e democratas, que são maioria no Senado, possam chegar a um acordo sobre o financiamento do Governo até 30 de setembro - o restante do ano fiscal - e evitar seu fechamento.

O problema é que em fevereiro a Câmara de Representantes aprovou a diminuição de US$ 61 bilhões nos gastos públicos para os próximos sete meses, em corte que afeta as áreas que Obama considera imprescindíveis fomentar.

Os democratas rejeitam a redução ao considerá-la exageradamente severa e pretendem alcançar um compromisso com os republicanos. O Senado terá que redigir sua própria versão.

A anterior sessão legislativa nunca aprovou o orçamento para este ano fiscal, que começou em outubro, pelo que os cortes foram realizados dentro de uma medida aprovada para financiar temporariamente - até 4 de março - as operações do Governo.
Hospedagem: UOL Host