UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

01/03/2010 - 17h03

Venda de negócio asiático da AIG acelera pagamento de empréstimos aos EUA

EFE
Elena Moreno.

Nova York, 1 mar (EFE).- A venda da operação asiática da seguradora American International Group (AIG) ao grupo britânico Prudential acelerará a reestruturação da companhia e o pagamento dos empréstimos que recebeu do Governo dos Estados Unidos para evitar seu colapso.

A AIG confirmou hoje seu acordo definitivo com a Prudential para vender a AIA, sua companhia na Ásia, por US$ 35,5 bilhões, sendo US$ 25,5 em dinheiro, US$ 8,5 bilhões e obrigações e outros US$ 2 bilhões em títulos preferenciais da empresa britânica submetidos a um reajuste posterior.

"Esta transação é a conquista mais significativa até o momento nos esforços da AIG para devolver o dinheiro dos contribuintes", afirmou hoje o presidente e executivo-chefe da seguradora, Ben Benmosche.

O Federal Reserve (Fed, banco central americano) saiu ao resgate da seguradora em setembro de 2008, quanto a situação dos mercados financeiros a colocou à beira da falência, recebendo então US$ 85 bilhões em ajudas federais que vieram a somar US$ 182 bilhões.

Em troca desses empréstimos, o Departamento do Tesouro americano tem 80% de seu capital e é o principal acionista da seguradora.

A AIG informou na sexta-feira passada que perdeu US$ 8,873 bilhões durante o último trimestre de 2009 e que a perda global registrada no ano passado foi de US$ 10,949 bilhões. Em 2008, seu prejuízo foi de US$ 99,289 bilhões.

Há um ano, a AIG reconhecia que, apenas no quarto trimestre de 2008, perdeu US$ 650 milhões por dia, passando a ser a empresa que mais dinheiro perdeu em um único trimestre em toda a história.

Benmosche disse hoje que após a venda da AIA, a AIG terá mais flexibilidade para avançar na reestruturação e poderá se dedicar a "reforçar o valor de nosso negócio, o que definitivamente repercutirá entre os acionistas".

Em 2009, a AIG pagou US$ 6,2 bilhões em taxas de juros e em despesas por amortização correspondentes às ajudas federais.

Na sexta-feira passada, Benmosche assegurou que a empresa continua com seu plano de reestruturação, "estabilizando e reforçando a área de seguros e reduzindo a de produtos financeiros".

A atividade seguradora de instrumentos financeiros, especialmente os relacionados com créditos hipotecários de alto risco, ajudou a desencadear a crise internacional.

O executivo-chefe da AIG antecipou que a seguradora pode vir a reduzir seu tamanho e ajustar seus negócios às áreas de seguros de vida e de propriedade e danos.

Com a venda à Prudential, a parte que a AIG receberá em dinheiro servirá para o pagamento de US$ 16 bilhões em juros da AIA e de outros US$ 9 bilhões da dívida com o Fed, disse a seguradora americana.

A AIG informou que vai monetizar outros US$ 10,5 bilhões, sujeitos às condições de mercado, e que a quantia resultante desse processo também será usada para pagar a dívida.

O executivo-chefe da companhia ressaltou também que a combinação entre Prudential e AIA criará uma "poderosa área de seguros de vida na Ásia, um dos mercados mundiais com maior crescimento".

Em Londres, o grupo britânico disse por meio de um comunicado de imprensa que sua aquisição "representa uma oportunidade única e estratégica para Prudential e AIA, a fim de criar uma seguradora líder no sudeste da Ásia".

Esta aquisição transforma a Prudential, que já tem um terço de suas operações globais na Ásia, na seguradora estrangeira dominante em toda a região.

A britânica será a maior companhia do setor nos mercados das Filipinas, Indonésia, Malásia, Cingapura e Hong Kong, segundo o jornal "The Wall Street Journal".

Para financiar a compra da AIA, a Prudential terá que completar uma das maiores vendas secundárias de ações já feitas, equivalente ou inclusive superior ao seu valor de mercado de US$ 23 bilhões, algo que pode preocupar os acionistas.

Por enquanto, analistas já expressaram que esta operação pode despertar a preocupação dos mercados quanto à regulação na Índia e na China, onde a AIA é a única seguradora estrangeira autorizada a operar.

Além disso, a AIG negocia com sua rival americana Metlife a venda da Alico, sua seguradora internacional, por entre US$ 15 bilhões e US$ 20 bilhões.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host