UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

01/04/2010 - 09h50

Empresários britânicos apóiam proposta conservadora de não subir um imposto

EFE
Londres, 1 abr (EFE).- Um grupo de vinte e três empresários britânicos expressou hoje seu apoio a uma proposta do Partido Conservador de eliminar, caso chegue ao poder, o aumento da cotação à seguridade social previsto pelos trabalhistas.

Em um gesto que encheu de satisfação os conservadores, favoritos para ganhar as eleições no Reino Unido segundo as pesquisas, os empresários afirmaram em carta ao jornal "Daily Telegraph" que o plano trabalhista de subir esse imposto em 1% a partir de abril de 2011 "poria em perigo" a recuperação econômica.

Segundo o último orçamento apresentado, os trabalhistas do primeiro-ministro, Gordon Brown, se propõem a aumentar a cotação de empresas e trabalhadores que ganham mais de 20 mil libras a partir do próximo ano para arrecadar fundos e fazer frente ao grande déficit fiscal do país.

O Partido Conservador, principal agremiação da oposição, afirmou que, caso governe, eliminaria o aumento planejado para todos os que recebem menos de 45,4 mil libras anuais, o que também reduziria a carga fiscal para as empresas.

O ministro de Empresas, Peter Mandelson, qualificou a proposta conservadora como um engano. Segundo ele para sanar as contas estatais é preciso aumentar um imposto. Se não o da seguridade social outro, como o IVA (o Imposto sobre o Valor Agregado).

Entre os empresários que apoiam a posição conservadora, que compensaria a perda de receita com cortes no setor público, estão diretores da farmacêutica GlaxoSmithKline, Marks&Spencer, Stuart Rose, do supermercado Sainsbury's, Justin King e Stelios Haji-Ioannu, do Easygroup.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host