UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

08/05/2010 - 14h12

Europeus preparam medidas para conter mercados

EFE
José Manuel Sanz.

Bruxelas, 8 mai (EFE).- Os Governos europeus aceitaram a queda-de-braço que os especuladores estão dispostos a colocar à moeda única europeia e, em uma série de decisões sem precedentes, afiam neste fim de semana suas armas de defesa.

A cúpula do Eurogrupo realizada ontem à noite em Bruxelas marcará um ponto de inflexão na história da moeda única depois do compromisso em favor de "a estabilidade, a unidade e a integridade" da zona ao que chegaram os 16 governantes.

Em vista das "circunstâncias excepcionais" dos últimos dias, com quedas espetaculares das bolsas e uma especulação incessante nos mercados de dívida pública, os membros da zona do euro concordaram ontem na criação imediata de um "mecanismo europeu de estabilização" que devolva à calma e proteja a moeda única.

Sem mais demora, o Conselho formado pelos 27 ministros de Economia e Finanças da União Europeia (Ecofin) celebrarão amanhã uma reunião extraordinária em Bruxelas para concretizar os detalhes desse instrumento multilateral de ajuda.

O Conselho Ecofin, o único que pode adotar legislação relativa à união econômica e monetária, será presidido pela segunda vice-presidente do Governo espanhol, Elena Salgado, quem convocou o encontro para as 15h no horário local (10h em Brasília).

A reflexão sobre a necessidade de contar com esse mecanismo começou há semanas, quando os Governos europeus perceberam que a grave crise orçamentária na Grécia iria escapar das mãos.

Para salvar da falência o sócio, os outros 15 Governos e as instituições comunitárias (Comissão Europeia e Banco Central Europeu) tiveram de improvisar um mecanismo de resgate baseado em empréstimos coordenados a partir de Bruxelas junto com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Durante mais de cinco meses de difíceis negociações, foi anunciado na semana passada um pacote sem precedentes no valor de 110 bilhões de euros em três anos, para uma pequena economia (de apenas 2% do Produto Interno Bruto da União Europeia).

Os mercados perceberam as enormes em seguida as enormes dificuldades que teriam os europeus se uma economia maior do que a grega, a espanhola ou a italiana, entrasse em dificuldades.

Seria na próxima quarta-feira que a Comissão iria apresentar a proposta de mecanismo de assistência para esse hipotético cenário, mas o furacão que varreu nesta semana os mercados internacionais e o sistema bancário europeu acelerou o processo.

A crise da dívida grega começa a contagiar outros países do sul da Europa, que viram disparar as taxas de juros que têm de oferecer aos investidores para colocar suas emissões de bônus e obrigações.

Sem uma intervenção forte e imediata, que corte as vendas maciças de bônus, o que está em perigo é o sistema bancário europeu como um todo, porque é o que acumula maior dívida destes países.

As principais entidades bancárias europeias lideraram as perdas nas bolsas de valores durante toda a semana.

Embora não tenham sido divulgados os detalhes sobre a intervenção que vão propor amanhã, as autoridades de Bruxelas ao Ecofin, tanto o presidente do Conselho Europeu, Herman van Rompuy, como o da Comissão, José Manuel Durão Barroso, sublinharam que se recorrerá a "todos os meios".

Os 27 poderiam autorizar à Comissão a fazer uso dentro da zona do euro da facilidade financeira para o balanço de pagamentos que agora se reserva exclusivamente aos sócios europeus não membros do euro.

A Comissão, que goza em nome da UE da máxima qualificação creditícia (AAA), pode obter empréstimos nos mercados internacionais a taxas de juros vantajosas e depois transferir essas quantias ao estado com dificuldades.

Hungria, Letônia e Romênia já estão fazendo uso de empréstimos financeiros comunitários.

A declaração da cúpula do Eurogrupo afirma que todas as instituições da região - o Conselho, a Comissão e também o Banco Central Europeu -, assim como cada um de seus estados-membros farão uso de "todos os meios disponíveis" para evitar o colapso do sistema.

Todos os líderes concordaram ontem à noite em que a crise já não é só grega, mas se transformou em um perigo "sistêmico".

O Banco Central Europeu poderia decidir uma injeção em massa de liquidez a curto prazo e baixo preço, como fez imediatamente depois da quebra em 2008 do banco de investimento americano Lehman Brothers desencadeante da onda de pânico que conduziu à pior crise desde a década de 1930.

A possibilidade de o BCE comprar a dívida soberana no mercado secundário, e se transforme assim em fiador de emergência desses títulos que estão debilitados nos bancos europeus, também era cogitada ontem à noite em círculos diplomatas.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host