UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

25/05/2010 - 14h13

Kalashnikov prepara novo modelo da AK-74

EFE
Moscou, 25 mai (EFE).- Os fabricantes do fuzil AK-47, a arma de fogo mais utilizada do mundo conhecida popularmente como Kalashnikov, anunciaram hoje que preparam um novo modelo com visor telescópica e mira laser.

"No próximo ano a apresentaremos para seu exame estatal", assegurou Vladimir Grodetski, diretor da fábrica de Izhevsk que produz há décadas os AK-47.

Grodetski destacou que os fuzis automáticos são a arma mais conservadora que existe e que novos modelos aparecem só uma vez a cada dez anos.

"Se não nos dedicamos a isso agora, não haverá novos fuzis nem dentro de cinco, nem dentro de dez anos", disse o diretor da fábrica da Kalashnikov.

O novo modelo 200 do AK-47, acrônimo de Mikhail Kalashnikov, criador do fuzil, pesará meio quilograma a mais que sua predecessora, já que levará incorporados novos elementos inovadores.

Trata-se de um visor telescópico, uma mira laser e um foco, entre outros.

Os fabricantes do Kalashnikov aproveitaram a visita a Izhevsk do primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, para lhe fazer uma demonstração com o novo modelo.

Putin elogiou o trabalho do desenhista veterano do fuzil, ao mesmo tempo em que chamou à indústria militar a melhorar a qualidade da produção de armamento.

Em novembro do ano passado o presidente russo, Dmitri Medvedev, concedeu a ordem de Herói da Rússia a Kalashnikov, cujo fuzil descreveu como "um dos melhores produtos nacionais".

Kalashnikov confessou em 2007, por ocasião do 60º aniversário do registro oficial de seu fuzil na URSS, que os nazistas tiveram a culpa de sua invenção porque sua vocação verdadeira era desenhar maquinário agrícola.

Embora tenha começado a idealizar o desenho de uma arma de fogo automática em 1942, enquanto estava internado em um hospital após sofrer ferimentos durante um combate contra o Exército nazista, o primeiro fuzil de assalto AK-47 não seria registrado oficialmente até 1947.

Segundo as autoridades russas, como a União Soviética não chegou a patentear a invenção, cerca de 90% dos fuzis Kalashnikov que são produzidos no mundo são falsos, pois são fabricados sem autorização ou com licenças vencidas.

A marca Kalashnikov só foi registrada no Escritório Internacional de Patentes da Suíça em 1998, e seu inventor nunca tirou benefício econômico de sua criação.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host