UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

16/06/2010 - 19h09

Oposição paraguaia é contra entrada da Venezuela no Mercosul

EFE
Assunção, 16 jun (EFE).- O Partido Colorado, principal força da oposição no Paraguai, disse hoje que não negociará com o Governo do presidente Fernando Lugo a aprovação no Congresso da entrada plena da Venezuela no Mercosul.

A presidente dos colorados, Lilian Samaniego, afirmou que seu partido mantém a postura de não aceitar o ingresso do país caribenho no bloco por considerar, da mesma forma que outros partidos de oposição, que o presidente venezuelano, Hugo Chávez, desenvolve políticas antidemocráticas.

O Partido Colorado, que mantém a maioria no Parlamento bicameral, perdeu sua hegemonia de 61 anos no Governo após a vitória de Lugo nas eleições gerais de 2008.

A decisão do acesso da Venezuela ao Mercosul ficou nas mãos do Paraguai depois que o Parlamento brasileiro aprovou a entrada do país no bloco em dezembro, da mesma forma que a Argentina e o Uruguai, em virtude do protocolo de adesão pactuado pelos Governos dos quatro países em 2006.

"O partido tem uma postura adotada em plenária, que foi a de não inclusão da Venezuela no Mercosul", reiterou Samaniego, que detalhou que "toda posição institucional tem que ser debatida novamente em plenária".

Com essas declarações, a presidente da oposição respondeu aos rumores de alguns meios de comunicação paraguaios que asseguram que a eleição do colorado Víctor Advogado como presidente da Câmara dos Deputados faria parte de um "pacote de acordos" com o Governo, entre eles, o voto a favor da inclusão da Venezuela no Mercosul.

Os detratores da adesão de Caracas ao bloco, aos que se soma o vice-presidente paraguaio, Federico Franco, que não esconde suas desavenças com Lugo, alegam que não aprovarão esse pedido enquanto Chávez seguir à frente do Governo venezuelano.

Na quinta-feira passada Lugo defendeu um consenso político no Congresso e uma análise "do que for mais conveniente para a região".

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host