UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

26/07/2010 - 15h01

Rússia rejeita críticas do Irã

Moscou, 26 jul (EFE).- Moscou rejeitou hoje as críticas de Teerã e exigiu "passos concretos" para solucionar o conflito em torno do programa nuclear iraniano.

"Para nós as recentes declarações públicas do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, são categoricamente inaceitáveis", declarou o Ministério de Exteriores russo em comunicado.

A Chancelaria russa insistiu que "a política independente e construtiva" da Rússia quer encontrar "uma solução política e diplomática para a situação em torno do programa nuclear iraniano, que gera uma preocupação legítima da comunidade internacional".

"Em vez de se dedicar à retórica estéril e irresponsável, a direção iraniana deveria dar passos concretos e construtivos para normalizar o mais rápido possível esta situação, como a Rússia e o grupo dos seis exige há muito tempo", assinala a nota em alusão, além disso, aos Estados Unidos, Reino Unido, França, China e Alemanha.

Por outro lado, a Rússia louvou a disposição expressada pelo Irã para seguir negociando com a Turquia e o Brasil um acordo que permita a troca de urânio pouco enriquecido por combustível nuclear para um reator médico iraniano.

A Chancelaria russa expressou sua satisfação pela disponibilidade do Governo de Teerã para se reunir em setembro com o chamado grupo de Viena, composto pela Rússia, França, EUA e a Agência Internacional de Energia Atômica.

Moscou considerou conveniente convidar representantes do Brasil e Turquia para está reunião e expressou sua esperança de que o Irã, além disso, retome o mais rápido possível o diálogo com os mediadores internacionais do grupo dos seis.

A Rússia, que mantém uma relação especial com o Irã e o ajuda a construir sua primeira usina nuclear nas margens do Golfo Pérsico, dentro da atual melhoria de suas relações com os EUA apoiou nas Nações Unidas a última resolução com novas sanções ao regime de Teerã.

Ao mesmo tempo, Moscou se opõe às sanções adicionais unilaterais impostas ao Irã pelos EUA e, hoje mesmo, pela União Europeia.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host