UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

10/08/2010 - 18h16

Fed investirá em bônus de longo prazo do Tesouro americano

EFE
Washington, 10 ago (EFE).- O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) anunciou hoje que vai reinvestir as entradas procedentes do vencimento de dívida hipotecária em bônus do Tesouro de mais longo prazo, em um esforço para ajudar a aquecer a economia dos Estados Unidos.

O Comitê de Mercado Aberto, que também deixou as taxas de juros de referência em sua categoria atual, entre 0 e 0,25%, reiterou sua promessa de que seguirá mantendo-os baixos durante um período extenso.

Em seu comunicado emitido ao término da reunião, o Fed reconhece que "no curto prazo o ritmo da reativação provavelmente será mais modesto que o antecipado".

Os dados recolhidos desde a reunião anterior do Comitê, em junho, "indicam que o ritmo de recuperação na produção e no emprego caiu nos últimos meses", afirmou a instituição.

Além disso, o Fed disse que "a despesa dos lares aumenta gradualmente, mas segue limitada pela alta taxa de desemprego, o modesto crescimento das entradas", a queda de valor dos imóveis e as restrições ao crédito.

A decisão de manter as taxas de juros de referência entre 0 e 0,25% não foi unânime.

Mais uma vez, o presidente do Banco do Federal Reserve de Kansas City, Thomas Hoening, indicou que, embora a economia esteja se recuperando em um ritmo menor do que era esperado, acredita que já não se justifica continuar dizendo que as taxas de juros serão mantidas durante um período prolongado em um nível excepcionalmente baixo.

Em julho, a economia teve, pelo segundo mês consecutivo, uma perda líquida de empregos maior que o previsto, e o índice de desemprego se manteve em 0,5%, o que oferece poucas esperanças de que os consumidores aumentem sua despesa substancialmente no curto prazo.

Nos últimos dias, especialmente desde a publicação na sexta-feira passada de dados do desemprego piores que o previsto, os analistas ventilavam que o Federal Reserve teria de adotar medidas para aquecer a economia, mas estavam divididos sobre o calendário.

A medida que consideravam mais provável foi a que a instituição presidida por Ben Bernanke anunciou: reinvestir as entradas procedentes do vencimento de dívida hipotecária.

Mas alguns analistas pensavam que os fundos seriam reinvestidos em dívida hipotecária, por isso a decisão de reinvesti-los em bônus do Tesouro americano pode representar uma pequena surpresa.

O reinvestimento em bônus é significativo, já que poderia ser um passo rumo a novas aquisições pesadas de obrigações do Tesouro ou de títulos respaldados por hipotecas.

Como resposta à crise financeira, o Fed adquiriu aproximadamente US$ 1,7 trilhão em títulos hipotecários e do Tesouro em 2009 e no início deste ano.

Analistas calculam que esta intervenção derrubou as taxas de juros de curto prazo em aproximadamente meio ponto percentual, mas os responsáveis do Fed têm opiniões divergentes sobre o impacto dessas medidas.

O comunicado de hoje indicou que parâmetros de núcleo da inflação "registraram uma tendência de queda em trimestres recentes, e é provável que a inflação se mantenha leve por algum tempo".

Os preços de consumo, excluindo alimentos e energia, subiram apenas 0,9% nos 12 meses anteriores a junho, e pelo terceiro mês consecutivo estiveram no nível mais baixo desde janeiro de 1966.

Nas últimas semanas, diversos analistas advertiram para o perigo de uma deflação e o Fed tinha um incentivo para agir agora, já que é mais difícil combater a deflação que a inflação, especialmente quando se leva em conta que as taxas de juros já estão perto de zero.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host