UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

13/09/2010 - 12h06

Analistas da UE e do FMI examinam aplicação do plano de economia grega

Atenas, 13 set (EFE).- Uma delegação de analistas da União Europeia (UE) e do Fundo Monetário Internacional (FMI) iniciou nesta segunda-feira, em Atenas, visita para determinar se a Grécia está cumprindo seus compromissos de economia e redução do déficit.

A rede pública grega "Net" informou que o grupo de auditores iniciou hoje reuniões com altos funcionários do Governo para debater o conteúdo dos Orçamentos estatais de 2011, que serão apresentados ao Parlamento grego no dia 4 de outubro.

Até lá, a missão internacional deve ter uma perspectiva clara sobre as receitas e despesas do Estado grego, que este ano terá um déficit fiscal de 8,1% do Produto Interno Bruto (PIB) e prevê reduzi-lo para 7,6% em 2011. Em 2009, o déficit foi de 13,6%.

Vários analistas consultados pela imprensa grega indicam que o resultado do exame dependerá se o Governo segue a orientação de especialistas internacionais para promover novas medidas de austeridade.

O primeiro-ministro grego, Giorgos Papandreou, reconheceu, no domingo à noite, em entrevista coletiva, que existe um buraco orçamentário de 1,5 bilhão de euros, mas disse que não apertará "ainda mais o cinto enquanto continuarem os bons resultados das medidas assumidas".

Papandreou anunciou que vai diminuir de 24% para 20% a taxa que incide sobre o lucro das empresas, com a ideia de encorajar a competitividade e dar impulso à atividade econômica.

Os especialistas internacionais analisarão a estratégia da economia em política social, na saúde e nas empresas públicas, muitas delas com enormes dívidas.

O elevado déficit público e a arrasadora dívida de 330 bilhões de euros levaram a Grécia a solicitar ajuda à zona do euro e ao FMI para evitar a quebra.

Desde que foi aprovado o pacote de resgate, em maio, Atenas recebeu 29 bilhões dos 110 bilhões de euros previstos até o ano 2013.

A estratégia de austeridade suscitou numerosas greves e paralisações, a última delas protagonizada por caminhoneiros, em ato contra os planos do Governo de desmantelar o monopólio no setor de transportes.

Além disso, os funcionários das ferrovias anunciaram paralisação de 24 horas para esta terça-feira, em protesto contra o plano de privatização da empresa ferroviária estatal.
Hospedagem: UOL Host