UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

09/10/2008 - 15h18

Bolsas européias invertem o sinal e fecham em baixa

Londres - As principais bolsas européias encerraram os negócios desta quinta-feira em queda, após passarem grande parte do dia em território positivo, pressionadas por receios sobre o desaquecimento da economia mundial e pelo esgotamento do entusiasmo gerado pelos cortes coordenados nas taxas de juros ontem.

Os investidores também mostram apreensão sobre a disponibilidade de crédito e os empréstimos interbancários.

"A questão provavelmente é se estamos mudando de rumo em relação ao aperto na oferta de crédito", disse David Fineberg, operador da CMC Markets em Londres.

"As taxas interbancárias serão examinadas de perto nos próximos dias, assim como qualquer outra medida do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) para forçar os bancos dos dois lados do Atlântico a emprestar dinheiro. Uma vez que isso ocorra, então poderemos encontrar um piso, mas seria imprudente concluir que o pior já passou", acrescentou.

Para Henk Potts, estrategista do Barclays Wealth em Londres, "a confiança está baixa e o sentimento frágil, e não há soluções rápidas"."Os investidores aproveitarão este período para analisar as implicações das políticas anunciadas recentemente", acrescentou.

Os participantes do mercado avaliam que o corte de juros sincronizado entre os bancos centrais ocorrido ontem sinaliza que as autoridades estão prontas para salvar a economia mundial e enfrentar a crise financeira.

"Levando em consideração que estamos em um ambiente de recessão, com declínio nos preços das commodities (matérias-primas) e expectativas de estabilização da inflação, há espaço para ações significativas", disse James Knightley, do ING Financial Markets em Londres. "Futuramente é provável que haja um afrouxamento da política monetária mundial."

Londres
Em Londres, o índice FTSE 100 caiu 52,90 pontos, ou 1,21%, para 4313,8 pontos. Apesar disso, as ações de mineradoras subiram, com a BHP Billiton avançando 6,53% e a Rio Tinto 4,68%. Entre os bancos, o HBOS subiu 31,20%, o Barclays recuou 13,12% e o HSBC perdeu 2,08%.

Paris
O índice CAC-40, da Bolsa de Paris, terminou em baixa de 54,19 pontos, ou 1,55%, a 3.442,70 pontos. A ArcelorMittal subiu 9,11% após confirmar as previsões de lucro do terceiro trimestre. O BNP avançou 5,45%; o Credit Agricole, 2%; e o Société Générale, 0,34%. O Dexia, por outro lado, caiu 2,87%, enquanto a GDF Suez perdeu 13,08%.

Frankfurt
Em Frankfurt, o índice DAX caiu 126,62 pontos, ou 2,53%, para 4.887 pontos. Os temores dos investidores locais aumentaram por conta do fechamento abaixo de 5 mil pontos, de acordo com um operador.

A Infineon e a E.ON tiveram as quedas mais acentuadas do dia, recuando 13,70% e 10,74%, respectivamente. Alguns papéis do setor financeiro tiveram recuperação. O Commerzbank subiu 7,98% e a Hypo Real Estate avançou 7,04%.

Madri
O índice Ibex-35, da Bolsa de Madri, terminou em queda de 394,70 pontos, ou 3,83%, para 9.902,9 pontos, encerrando abaixo dos mil pontos pela primeira vez desde agosto de 2005.

As ações de prestadoras de serviços públicos tiveram baixa acentuada após o ministro de energia da Bélgica ter proposto a diminuição dos preços da eletricidade.

A Iberdrola caiu 8,56%, a Enagas recuou 7,56% e a Endesa perdeu 6,43%. Os grandes bancos também recuaram. O Santander teve declínio de 3,29% e o BBVA cedeu 3,34%.

As informações são da Dow Jones.
Hospedagem: UOL Host