UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

19/01/2009 - 16h37

Bolsas da Europa fecham em queda puxadas por bancos

Londres - As principais Bolsas europeias terminaram em queda, pressionadas pelo mau desempenho dos bancos, que começaram o dia em alta em reação a um novo pacote do Reino Unido para socorrer o setor financeiro, mas recuaram posteriormente diante do anúncio do Royal Bank of Scotland de que pode ter registrado um grande prejuízo em 2008.

O índice de ações pan-europeu Dow Jones Stoxx 600 recuou 1,7%, para 189,62 pontos. Em termos de mercados locais, o índice FT-100 caiu 38,59 pontos, ou 0,93%, e fechou com 4.108,47 pontos; em Paris, o índice CAC-40 perdeu 27,06 pontos, ou 0,90%, e fechou com 2.989,69 pontos; em Frankfurt, o índice DAX-30 teve declínio de 50,14 pontos, ou 1,15%, e fechou com 4.316,14 pontos.

Em Madri, o índice Ibex-35 caiu 125,30 pontos, ou 1,45%, e fechou com 8.494,80 pontos; em Milão, o índice S&P/MIB recuou 273 pontos, ou 1,40%, e fechou com 19.206 pontos; em Lisboa, o índice PSI-20 teve declínio de 82,98 pontos, ou 1,29%, e fechou com 6.363,10 pontos.

As ações do Royal Bank of Scotland (RBS) caíram 64,27% em Londres, com investidores perplexos com a notícia de que o banco pode ter o maior prejuízo anual de toda a história empresarial britânica. O RBS divulgou que, em 2008, pode ter registrado um prejuízo de até 28 bilhões de libras esterlinas (US$ 41,6 bilhões).

Outros bancos também tiveram queda acentuada. O Lloyds Banking Group, formado após a fusão do Lloyds TSB e do HBOS, perdeu 30,79% no primeiro dia de negociação na Bolsa de Londres.

"O comunicado do RBS mostra os efeitos da desaceleração econômica na qualidade de crédito e o enfraquecimento que isto causa. Há perspectivas negativas para outros nomes, especialmente o Lloyds TSB", disseram analistas da Nomura.

O Allied Irish Banks caiu aproximadamente 59%. Na semana passada, o banco teve um declínio acentuado depois de o governo irlandês ter na prática estatizado o Anglo Irish Bank.

As ações do Credit Suisse recuaram 6,67% enquanto as do HSBC Holdings caíram 9,85%. Até mesmo o Barclays, que subiu no início do dia após reafirmar a perspectiva de lucro para 2008, teve declínio de 10,20%.

Os papéis do Deutsche Bank caíram 10,59%. O Morgan Stanley diminuiu o preço-alvo da ação e disse que o banco ainda precisa reduzir a alavancagem. O BNP Paribas perdeu 5,71%, enquanto o Société Générale teve declínio de 10,25%.

Mais cedo, o governo britânico anunciou um segundo grande programa de socorro aos bancos, concedendo às instituições garantias contra novas perdas, em mais um esforço para amparar o sistema financeiro e revigorar o crédito.

"Eu não estou convencido de que este é o tipo de política que vai atingir o objetivo previsto, de estimular os empréstimos", disse Peter Dixon, estrategista do Commerzbank.

"Não está forçando os bancos a retirar o lixo dos balanços. Não está forçando os bancos a se reestruturarem e isto é uma grande falha", acrescentou.

"O que fizemos hoje efetivamente foi adiar o inevitável e, por esse motivo, eu acho que se eu fosse um investidor de ações do setor bancário, eu estaria muito cético sobre a possibilidade de esse ser o fim das intervenções do governo", avaliou Dixon.

Ele disse ainda que há implicações para outros setores. "Há uma escassez de crédito na economia e isso vai ter um impacto sobre todos os setores." As informações são da Dow Jones.
Hospedagem: UOL Host