UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

09/09/2009 - 11h52

Mesmo pressionado por saúde, custo de vida em SP desacelera para 0,30%

SÃO PAULO - O ICV (Índice de Custo de Vida) da cidade de São Paulo apresentou variação de 0,30% em agosto, índice 0,19 ponto percentual menor do que o verificado em julho (0,49%).

Os dados, divulgados nesta quarta-feira (9), fazem parte de levantamento mensal realizado pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

No acumulado dos últimos 12 meses - entre setembro de 2008 e agosto de 2009 -, o índice avançou 3,75%. Já no acumulado deste ano, o ICV registra variação positiva de 2,53%.

Segmentos

De acordo com o Dieese, as grandes pressões inflacionárias em agosto partiram dos grupos Saúde (1,03%), Transportes (0,50%) e Habitação (0,30%). Os grupos Vestuário (-0,28%) e Despesas Pessoais (-0,28%), por outro lado, puxaram o índice para baixo no último mês.

No grupo Saúde, o aumento foi determinado pelo subgrupo assistência médica (1,29%). A pressão teve origem em seguros e convênios médicos (1,49%) que, isoladamente, contribuíram com 0,13 p.p. no cálculo da taxa de agosto.

Em Transportes, a alta deve-se ao comportamento dos preços do álcool, que tiveram aumento de 4,09% no mês passado, e dos ônibus interestaduais (3,31%).

Já em Habitação, o avanço foi observado nos seguintes subgrupos: locação, impostos e condomínio, com aumento de 1,03%, e conservação, que subiu 0,58%, sendo que locação, com alta de 2,50%, foi a grande responsável pela inflação, contribuindo com 0,07 ponto percentual.

Destaques em 12 meses e no ano

Em 12 meses, os destaques ficaram com Despesas Pessoais (13,14%), Educação e Leitura (7,52%) e Habitação (5,75%). Já as menores variações foram detectadas nos grupos Vestuário (-1,22%), Recreação (0,13%) e Equipamento Doméstico (0,27%).

Em Despesas Pessoais, as maiores influências foram dos produtos de fumo e acessórios, que tiveram alta de 25,98%.

No caso das variações negativas do acumulado de 12 meses, destacam-se as quedas de roupas (-2,80%).

No acumulado do ano até agosto, as maiores altas foram registradas no grupo Despesas Pessoais (11,12%), com destaque para produtos de higiene e beleza (3,91%) e também para fumo e acessórios (21,60%). Educação e Leitura e Habitação também apresentaram altas, de 7,24% e 4,18%, respectivamente. As variações negativas foram registradas nos grupos Transporte (-0,18%) e Vestuário (-2,13%).

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host