UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

29/01/2010 - 15h18

Copa 2010: preços de passagens para a África do Sul devem triplicar, diz Abav

SÃO PAULO – A Copa do Mundo deste ano, que será realizada na África do Sul, fará os preços das passagens aéreas para aquele país triplicar. Para o diretor de assuntos internacionais da Abav (Associação Brasileira das Agências de Viagem), Leonel Rossi Junior, esse fenômeno é normal. “Toda Copa triplica os preços nos países-sede”, afirmou, de acordo com a Agência Sebrae.

Segundo Rossi, o fato de os preços das passagens e diárias da rede hoteleira estarem três vezes acima do habitual ocorreu em boa parte dos torneios anteriores, exceto durante a Copa da Alemanha. Isso porque, segundo ele, pelo país estar na Europa, os turistas puderam realizar outras viagens e passeios, o que não deve acontecer na África. “A diferença em relação à África do Sul é que se trata de um país com poucas conexões e opções para outros passeios e destinos turísticos”, considerou Rossi.

Exatamente por isso, ele acredita que as agências ainda devem fazer promoções. “A África do Sul não é um país de fácil acesso e não conta com rede hoteleira no patamar dos países europeus”, afirmou. “As agências de viagem vão acabar fazendo promoções”, completou.

Brasileiros não consomem Copa

Os turistas de Copa do Mundo são um público diferente, mais endinheirado, pois os custos são altos, e só aqueles que se interessam muito por futebol desembolsam altos valores para assistir a um jogo. E, para o diretor da Abav, os brasileiros não estão nessa lista. “Brasileiros não são grandes consumidores de Copa e Olimpíadas”, acrescentou.

Ele afirma que quem mais viaja do Brasil para assistir aos jogos são pessoas ligadas a clubes, associações esportivas e, claro, os fanáticos por futebol.

Na última Copa, realizada na Alemanha, em 2002, cerca de 7 mil brasileiros compareceram – o número é o dobro daquele registrado na Copa anterior, em 1998, na França, quando 3,5 mil brasileiros foram assistir aos jogos.

Sem medo de viajar

Em 2009, o turismo mundial caiu 4%, de acordo com a Organização Mundial do Turismo. Para Rossi, porém, a queda foi ainda maior, de 9%. Por conta da crise, no Brasil, o turismo doméstico cresceu 5%. Para este ano, o diretor da Abav espera um aumento ainda maior, já que ele acredita que os brasileiros já não temem gastar com viagens.

“Quem deixou de viajar por algum motivo no ano passado vai viajar quando puder este ano”, afirmou, segundo a agência. “As pessoas estão sem medo de perder seus empregos. O comércio e a indústria estão vendendo mais e também está sobrando dinheiro para o turismo”.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host