UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

29/01/2010 - 19h05

Depois de 2009 ruim, dólar reverte tendência e é melhor investimento de janeiro

SÃO PAULO – Apesar do otimismo geral em relação a 2010, o mês de janeiro foi marcado por um sentimento de aversão a risco nos mercados, que digeriram diversas referências corporativas e econômicas divergentes no início do ano e deram início a um forte movimento de realização de lucros. Nesse cenário incerto, o dólar – que fechou o ano de 2009 com a maior desvalorização anual desde que o real foi implantado como moeda oficial do Brasil, em 1994 – aparece como melhor investimento do mês – segundo a variação da Ptax (taxa média da moeda) -, com ganhos nominais de 7,67% em janeiro.

Também se beneficiando da aversão ao risco, o investimento em ouro ficou em segundo lugar no quesito rentabilidade entre as principais métricas de investimentos do mercado de capitais brasileiro. A commodity, que já se destacou em 2009, fechou o mês com avanço nominal de 6,45%.

A bolsa brasileira, por sua vez, teve seu pior resultado desde outubro de 2008 (pior mês da crise financeira, quando o índice recuou quase 25%), e encerrou o mês com rentabilidade negativa de 4,65%. A realização de lucros, o clima negativo nos mercados externos e o forte recuo das commodities afetaram o resultado da bolsa – que se tornou a única entre as principais métricas de investimento a registrar retorno negativo em janeiro. Com isso, o Ibovespa pôs fim a 6 meses de valorização.

Dentro das alternativas de renda fixa, a aplicação em CDBs pré-fixados de 30 dias garantiu retorno nominal médio de 0,69% em janeiro, marca pouco superior à do benchmark CDI (+0,66%). A tradicional caderneta de poupança apresentou retorno de 0,53% em termos nominais, ou de -0,10% quando considerada a variação de 0,63% do IGP-M (Índice Geral de Preços - Mercado) no período.

Freio no otimismo

Depois de um forte avanço em 2009, 2010 começou com um tom mais cauteloso. Além de uma realização dos lucros vistos nos meses anteriores, preocupações acerca da sustentabilidade e real força da recuperação global ficaram em foco, assim como a situação ruim de alguns países, como a Grécia.

Indicações de um aperto monetário na China foram mal recebidas pelo mercado, assim como a proposta do presidente norte-americano, Barack Obama para uma nova regulamentação do sistema financeiro. Se aprovada, a nova regulação pode forçar grandes bancos a optar entre ser um banco comercial ou fazer operações mais complexas e com maior risco, como hedge funds.

A temporada de resultados também afetou os investidores, trazendo a tona números divergentes. Da mesma maneira, as referências econômicas não ofereceram uma tendência clara aos mercados. 

No plano institucional, o Fed (BC dos EUA) – que terá Ben Bernanke como chairman por mais quatro anos – revelou discordâncias entre os membros de seu comitê na decisão coletiva de manter a Fed Funds Rate (taxa de juros) em sua mínima histórica, dando sinais de que um aperto monetário pode estar por vir.

No cenário corporativo doméstico, o destaque foi a aquisição da Quattor pela Braskem. A empresa passou a ser controlada pela Odebrecht (50,1% do capital votante) e pela Petrobras, que consolida sua participação no setor petroquímico. Já a Braskem passa a ser a maior empresa do setor na América em termos de capacidade de produção de resinas.

Eletrobrás e Brasil Telecom nas pontas do Ibovespa

As ações da Eletrobrás (ELET3,ELET6) lideraram os ganhos do Ibovespa no mês, com uma valorização de 10,18% e 9,39%, respectivamente, terminando o pregão desta sexta-feira (29) cotadas a R$ 40,04 e R$ 34,70. Os papéis da empresa dispararam após o anúncio da quitação do Saldo da Reserva Especial de Dividendos, uma dívida que a companhia carrega há anos. O pagamento será efetuado em quatro parcelas anuais, com vencimentos sempre em 30 de junho, contando a partir já deste ano.

No outro extremo, os ativos da Brasil Telecom (BRTO4) acumularam a maior desvalorização do índice, com perdas de 21,85% no mês. O noticiário em torno da companhia ajuda a explicar o movimento: no dia 14, a Oi informou, em comunicado ao mercado, o adiamento da fase final da fusão com a BrT e pediu mudanças nos termos do acordo. A companhia apresentou o resultado de auditoria pela qual se constatou que a provisão das dívidas judiciais da Brasil Telecom, que girava em torno de R$ 1,3 bilhão, deve ser de R$ 2,5 bilhões. Em decorrência deste adicional de provisão, as empresas decidiram suspender o processo de incorporação de ações, visto que a relação de substituição proposta não considerava este ajuste contábil.

Variações das principais métricas de investimento em janeiro:

Investimento Janeiro Real* Dezembro Real**
Ibovespa -4,65% -5,25% +2,30% +2,57%
CDI*** +0,66% +0,03% +0,66% +0,92%
CDB **** +0,69% +0,06% +0,69% +0,95%
Poupança +0,53% -0,10% +0,55% +0,82%
Ouro +6,45% +5,79% -8,82% -8,58%
Dólar Ptax +7,67% +7,00% -0,53% -0,27%
IGP-M +0,63%   -0,26%  

* Deduzida a variação do IGP-M que ficou em 0,63% em janeiro de 2010

** Deduzida a variação do IGP-M que ficou em -0,26% em dezembro de 2009

*** Taxa Efetiva Andima

**** Taxa pré 30 dias

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host