UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

25/02/2010 - 18h02

Economista diz que crédito ao consumidor sofrerá com compulsório e Selic

SÃO PAULO - As mudanças nas regras do compulsório vão impactar no crescimento do crédito para a pessoa física. A afirmação é do economista da ACSP (Associação Comercial de São Paulo), Marcel Solimeo.

"Teremos, sim, crescimento em relação ao ano passado, mas acho que o ritmo desse crescimento vai diminuir e não permanecerá nos patamares vistos em fevereiro. Com o aumento na alíquota dos compulsório determinado pelo Banco Central, os bancos terão menor líquidez e vão emprestar menos", afirma.

Solimeo explica também que a mudança terá impacto direto no consumo. "Menos recursos disponíveis, taxas de empréstimos mais caras. É óbvio que a mudança vai dificultar o acesso ao crédito por parte do consumidor e, com isso, obviamente, ele vai comprar menos. Já tivemos recentemente o anúncio de que o IPI [Imposto sobre Produtos Industrializados] não seria prorrogado. Embora isso mude pouco os preços, tem um efeito psicológico e o consumidor deixa de comprar. Agora, com a elevação das taxas, provavelmente teremos uma retração", explica.

Consumo excessivo

Embora o intuito do governo seja realmente evitar o consumo excessivo e, com isso, evitar uma inflação fora da meta, Solimeo discorda que o consumo esteja em níveis prejudiciais.

"Não concordo com a ideia de que enfrentamos um momento de consumo excessivo. Ao contrário, defendo uma redução permanente da carga tributária, para que o poder de compra do brasileiro cresça ainda mais".

O economista afirma ainda acreditar que o Banco Central adotará mais uma medida para conter o consumo e a alta da inflação: a elevação da taxa básica de juro.

"Embora eu acredite que o governo, já que mexeu nos compulsórios, poderia não aumentar a Selic, não acho que isso vai ocorrer. Acho que teremos um aumento da taxa básica nos próximos meses. E, embora esse aumento demore um pouco para chegar ao consumidor, será mais uma elevação com a qual o consumidor terá que lidar na hora de financiar um bem", finaliza.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host