UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

06/04/2010 - 09h24

IPI reduzido elevou vendas do varejo em 13,5%, maior nível anual desde a crise

SÃO PAULO – Com o fim do IPI reduzido, as vendas de automóveis registraram recorde em março e as de móveis apresentaram elevação acima da média. A corrida dos consumidores em busca de produtos com incentivo fiscal elevou, de modo geral, a atividade do comércio varejista no terceiro mês do ano e as vendas do setor apresentaram aumento de 13,5%, frente a março de 2009 – a maior taxa anual desde o início da crise econômica, em setembro de 2008.

Os dados são do Indicador Serasa Experian de Atividade do Comércio, divulgado nesta terça-feira (6), e mostram que apenas o segmento de Veículos, Motos e Peças apresentou aumento de 31,4% nas vendas no mês passado na comparação com o mesmo período de 2009. Já o segmento de Móveis, Eletroeletrônicos e Informática registraram alta de 21% no mesmo período, também influenciando o resultado geral.

O IPI reduzido terminou no último dia 1º deste mês e fez parte de um pacote de medidas do Governo para estimular o consumo e reduzir os reflexos da crise internacional no País. A medida começou com automóveis e alguns itens da linha branca e logo foi estendido aos materiais de construção e móveis.

Comércio varejista

Além do segmento de Veículos, Motos e Peças e Móveis, Eletroeletrônicos e Informática, em março, frente ao mesmo mês de 2009, outro destaque foi o segmento de Materiais de Construção, que registrou um aumento de 21,3% nas vendas. Esse segmento ainda conta com o incentivo do IPI reduzido, que deve terminar em junho deste ano.

Tecido, Vestuário, Calçados e Acessórios também cresceram no terceiro mês do ano (17,8%), na comparação com 2009, seguido do segmento de Supermercados, Hipermercados, Alimentos e Bebidas, que registrou incremento de 8% no mês passado, e Combustíveis e Lubrificantes (1,6%).

Análise mensal

Frente a fevereiro, o indicador mostra alta de 2,9%. Nessa base comparativa, o destaque também ficou com o segmento de Veículos, Motos e Peças, que registrou aumento de 8,3% nas vendas. Materiais de Construção vêm em seguida, com aumento de 4,1% das comercializações em março.

Outros destaques na análise mensal ficam por conta dos segmentos de Supermercados, Hipermercados, Alimentos e Bebidas, cujo aumento foi de 2,7%. Tecidos, Vestuários, Calçados e Acessórios registraram acréscimo de 2,6% em março, frente a fevereiro. Já Móveis, Eletroeletrônicos e Informática cresceram 2,5%. Combustíveis e Lubrificantes registraram aumento de 2,3% no mesmo período.

Crédito e salário

Além do IPI reduzido, os analistas da Serasa destacam outros fatores como determinantes para a elevação da atividade do comércio varejista em março: crescimento da massa salarial real e aumento da oferta de crédito, com prazos cada vez maiores.

De acordo com o indicador, a atividade registrou incremento de 11,3% no acumulado dos primeiros três meses do ano, com destaque para Veículos, Motos e Peças (24,7%), Móveis, Eletroeletrônicos e Informática (20,3%).

Sobre o índice

O indicador da Serasa tem como base o banco de dados da Serasa Experian. A partir da metodologia de cálculo do PIB, apresentada pelo IBGE em 2007, na qual o comércio passou a ser, individualmente, o setor com maior participação na geração do valor adicionado da economia brasileira, respondendo por 11%, a entidade percebeu que é de fundamental importância dispor de mais indicadores, destinados a mensurar a evolução deste setor da atividade econômica do País.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host