UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

24/05/2010 - 12h59

Para BTG, Plano de Banda Larga beneficiará Vivo, TIM, Oi e NET e Claro

SÃO PAULO - No cerne de recomendação de compra do BTG Patual para as companhias de telecomunicações que atuam no País, está o Plano Nacional de Banda Larga. De acordo com o banco, o projeto “talvez tenha um resultado positivo, depois de tudo”. 

Na avaliação de Carlos Sequeira e Antonio Junqueira, as operadoras de celular poderão ser bastante beneficiadas pelo programa. “A tecnologia de celulares é a melhor alternativa para oferecer o serviço de banda larga em uma população esparsa”, afirmam. 

Beneficiárias do plano

Isso porque o governo planeja prover com o seu plano toda a infraestrutura e os modems - cujos custos são os mais elevados no fornecimento do serviço –, possibilitando que as operadoras possam expandir sua área de cobertura a regiões onde seria comercialmente inviável. “Pensamos que este fato é positivo para a Vivo (VIVO4), TIM (TCSL4), Claro e Oi (TMAR3)”. 

Além disso, os dois apontam a NET (NETC4) como uma possível beneficiária do plano ou, no pior dos caso, a companhia “não teria nada a perder”. Na visão dos analistas, não faria sentido o governo estender o projeto às áreas onde já há conexão de banda larga a preços competitivos – regiões estas na qual a NET atual.

“Portanto, não enxergamos a Telebrás (eleita gestora do plano) como uma ameaça potencial à NET de nenhuma forma”. Para eles a NET poderia até beneficiar-se do plano, utilizando a infraestrutura do governo para estender seus próprios serviços. 

Receios em Telemar e Embratel

Por sua vez, Telemar (TNPL4) e Embratel (EBTP4) recebem olhares mais receosos por parte do BTG devido sua exposição mais elevada. No caso da Telemar, o problema é que ela atua exatamente em áreas nas quais o governo prevê destinar o plano, além de substituir alguns serviços hoje prestados pela companhia, pela Eletrobrás. No caso da Embratel, o problema também provem da substituição pela gestora do plano.

Telebrás ascende

Enquanto ainda é incerto quais serão os reais benefícios para as demais operadoras, os papéis da Telebrás detêm de maneira praticamente isolada o ânimo do mercado em relação ao plano. Por volta das 12h35 (horário de Brasília), os papéis preferenciais da estatal exibiam alta de 5,24%, sendo cotados a R$ 1,63. Já os ativos ordinários, listavam avanço de 4,73%, cotados a R$ 1,77.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host