UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

16/06/2010 - 16h39

Renda média do consumidor on-line é duas vezes maior que a do tradicional

SÃO PAULO – A renda familiar do consumidor on-line é mais que o dobro da renda do consumidor tradicional. Enquanto os internautas que fazem compras pela web ganham, em média, R$ 3.560,76, a renda do comprador off-line é de R$ 1.444,52.

A pesquisa Cross Channel, realizada pelo Instituto Análise e pela e-bit mostrou que 80% dos adeptos das compras virtuais têm entre 25 e 29 anos de idade. No varejo tradicional, essa faixa etária contempla 66% das pessoas.

O estudo foi realizado por meio de 5.491 entrevistas, em março deste ano, e buscou mostrar as tendências e diferenças entre os consumidores on e off-line.

Preferências

Entre as preferências, 56% dos pesquisados no mundo on-line preferem comprar eletrodomésticos pela web, contra 34% que optam por lojas especializadas fora da internet.

No mundo off-line, 77% compram eletros em lojas físicas e 3% consideram adquirir um desses produtos pela web, mesmo não sendo esse um canal que costumam escolher para compras. Quando o assunto é  ingresso, 70% das pessoas que costumam comprar pela internet usam a rede para adquirir seus tiquetes, ao mesmo tempo em que 5% dos consumidores tradicionais compram ingressos pela internet.

O cartão de crédito é o meio de pagamento preferido pelos internautas, inclusive para compras no mundo off-line. Já entre as pessoas que compram em lojas físicas, o dinheiro é o mais utilizado, exceto para produtos de maior valor, como eletrodomésticos, eletrônicos e informática.

Só pessoalmente

A pesquisa mostrou ainda que algumas categorias de produtos ainda enfrentam resistência para compras remotas. Normalmente, são aqueles que precisam ser vistos ou tocados, como produtos de supermercado, cosméticos e perfumaria, moda e acessórios.

Para o diretor geral da e-bit, Pedro Guasti, a web 2.0 – a mídia social e os conteúdos mais participativos e colaborativos – pode ser uma aliada na decisão de compra desses segmentos. “As lojas que comercializam esses tipos de produtos podem oferecer vídeos, reviews de consumidores e imagens 3D para que seus clientes sintam-se mais confiantes em efetuar pedidos de produtos que antes necessitavam ser obrigatoriamente tocados e experimentados pessoalmente”, declarou Guasti.

Ainda segundo o estudo, a praticidade é a principal vantagem apontada pelo consumidor virtual. Para o consumidor tradicional, a pouca familiaridade com o canal torna a internet um obstáculo na hora de adquirir um produto.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host