UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

25/06/2010 - 14h41 / Atualizada 25/06/2010 - 15h12

J.P. Morgan: investidores devem ficar atentos a dados sobre inadimplência

SÃO PAULO – A inadimplência está começando a crescer novamente no Brasil, destaca o time de análise do J.P.Morgan, após reunião com o economista Luiz Rabi, responsável pela pesquisa Serasa Experian.

Segundo a analista Emy Shayo Cherman, do J.P.Morgan, o indicador de inadimplência do consumidor está em um ponto de inflexão, ou seja, deixou seis meses de variação negativa para subir 1,9% em maio.

“De acordo com Rabi, o segmento não-bancário é onde a inadimplência está mais alta, subindo 14% entre abril de 2009 e 2010 e 26% entre os meses de maio dos dois anos”, explica Emy.

Setores

Além disso, a analista do J.P.Morgan avalia que o setor que mais é impacto por esse aumento de inadimplência é o de varejo, mesmo com o crédito sendo uma pequena parte do fluxo de caixa das empresas.

“Sobre os bancos, nós não estamos nos sentindo incomodados. Ao contrário: empréstimos continuam em aceleração, mesmo com os custos dos financiamentos subindo”, conta.

Consumo e crédito

Porém, a analista comenta que a expectativa do economista do Seresa Experian é de crescimento considerável de crédito ao consumidor. Emy cita a projeção de que uma medição positiva de crédito pode levar 20 milhões de pessoas a procurar crédito, o que representa crescimento de 20% em relação ao atual número.

“Estas são pessoas que estão no mercado informal de trabalho e aquelas que não tem acesso ao crédito por não terem como provar sua renda”, fala a analista. “Mas, eles nunca falharam em pagar suas contas ou ter um cheque devolvido”, acrescenta.

O J.P. Morgan vê os setores domésticos brasileiros como “overweight” (acima da média), especialmente os segmentos financeiro e de construção civil.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host