UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

19/07/2010 - 17h25

Ranking do Enem não deve afetar preço da mensalidade nas escolas, diz sindicato

SÃO PAULO - Embora o ranking do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2009 aponte18 colégios particulares entre os 20 melhores colocados, a cobrança da mensalidade não é determinante para o desempenho dos alunos na prova, segundo o presidente do Sieeesp (Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de São Paulo), José Augusto de Mattos Lourenço. As notas das escolas foram divulgadas nesta segunda-feira (19).

“Em todas as avaliações, as escolas particulares sempre estiveram melhores, mas não vejo que o valor da anuidade influencie. O que deve influenciar é a proposta pedagógica, a questão regimental. Não é o custo que determina se a escola é boa ou não”, declarou Lourenço.

Questionado se o ranking do Enem poderá servir como pretexto para que os colégios particulares elevem ainda mais a mensalidade no reajuste do próximo ano, o presidente do Sindicato disse esperar que não. “Se fizerem, acho totalmente errado. Até porque há escolas com valores menores muito bem classificadas, inclusive gratuitas”, afirmou.

O reajuste dos colégios, segundo Lourenço, é baseado na inflação do período, no reajuste dos funcionários – item que mais pesa nas despesas – e na proposta pedagógica e adoção de novas tecnologias. “A escola faz a análise desse custo e determina o valor cobrado”.

Obrigatoriedade

Lourenço não concorda com o ranking dos colégios baseado no Enem devido à não obrigatoriedade de participação dos alunos. Uma vez que algumas das principais universidades do País não usam o resultado do exame como parte do processo seletivo, muitos alunos não se interessam por participar, fato agravado no ano passado, após o roubo das questões da prova pouco antes de sua realização.

“Muitos colégios podem selecionar os melhores alunos para realizar o Enem. Por isso não acredito no resultado e nesse ranking. Se todos os alunos participassem, aí sim poderíamos fazer um comparativo”, salientou. “Os pais, na hora de analisar onde vai matricular seu filho, precisam pensar no que é melhor para ele, dentro da proposta pedagógica da instituição, se ela encaixa com o que a família quer e se ela está preparando bem o filho para o vestibular ou não”, recomendou Lourenço.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host