UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

20/07/2010 - 16h04

Endividamento dos paulistanos atinge o maior nível dos últimos 12 meses

SÃO PAULO - Em julho, o percentual de famílias paulistas que possuem algum tipo de dívida atingiu a maior proporção do ano e dos últimos 12 meses. De acordo com a Peic (Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor), divulgada nesta terça-feira (20) pela Fecomercio-SP (Federação do Comércio do Estado de São Paulo), 52% ou 1,85 milhão das famílias do estado de São Paulo estão endividadas.

Na comparação com o mês passado, a parcela de famílias nessas condições subiu 10 pontos percentuais. Já em relação a julho de 2009, a alta foi de 6 pontos percentuais.

A pesquisa também mostra que 15% das famílias estão com contas em atraso, seja no cheque especial, cartão de crédito, empréstimo pessoal ou com prestações em geral. Na comparação com o mês de junho, houve aumento de 2 pontos percentuais.

Para a assessora econômica da federação, Adelaide Reis, o crescimento do endividamento familiar em julho indica importante participação das classes de renda mais baixas, que estão consumindo mais e contratando mais crédito.

Inadimplência

A inadimplência, representada pelas famílias que declaram não ter condições de pagar total ou parcialmente suas contas nos próximos meses, também registrou alta. Hoje, 6% dos lares paulistas estão inadimplentes, contra 4% apurados em junho.

“Em julho, houve forte expansão das operações de crédito ao consumidor, mas os aumentos verificados nas proporções de famílias inadimplentes mostram que a situação ainda está sob controle, com flutuações dentro dos padrões de normalidade e sem riscos iminentes”, afirmou Adelaide.

Dos tipos de dívidas, o cartão de crédito continua liderando, com 66% das indicações, seguido pelas dívidas de carnês (25%), pelo financiamento de veículos (12%), crédito pessoal (11%) e cheque especial (7%).

Com relação ao prazo médio de comprometimento da renda, a maior incidência é verificada no período superior a 90 dias (56%), seguida pelo período de até 30 dias (25%). O levantamento mostra que os paulistas atrasam o pagamento de suas contas em 65 dias.

A maioria das famílias (52%) compromete de 11% a 50% do orçamento com o pagamento de dívidas, enquanto 19% delas reservam até 10% e 20% dos paulistanos têm mais da metade da renda comprometida com o pagamento de dívidas.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host