UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

20/07/2010 - 19h20

Santander: Vale e CSN devem se destacar entre resultados "robustos" no 2º trimestre

SÃO PAULO - Puxados pelos números da CSN (CSNA3) e da Vale (VALE3, VALE5), os resultados das companhias brasileiras no segundo trimestre deste ano deverão ser "robustos", segundo a análise do Santander divulgada nesta terça-feira (20) em relatório.

De acordo com os analistas Leonardo Milane e Marcelo Audi, os balanços financeiros e operacionais que serão divulgados pelas companhias brasileiras deverão apresentar influência de dois fatores, um positivo e outro negativo.

O positivo, segundo Milane e Audi, é que este será o primeiro trimestre no qual o preço do minério de ferro mais elevado irá se refletir "substancialmente" nos ganhos por ação da CSN e da Vale.

Por outro lado, a equipe do banco destaca que as companhias que possuem elevadas dívidas denominadas em moedas estrangeiras deverão enfrentar uma base comparativa mais dura. Este é o caso dos setores aéreo e transporte, comidas e bedidas, petróleo, gás e petroquímico, papel e celulose, aço e tecnologia, mídia e telecomunicações, segundo o banco.

"Nós esperamos que as empresas brasileiras reportem um robusto avanço do Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) no segundo trimestre de 2010 e um crescimento no lucro por ação, de 87% e 65%, respectivamente, na comparação anual", destacaram os analistas.

Sem considerar as projeções para a CSN e a Vale - que impulsionam o resultado geral -, o Ebitda e o lucro por ação das companhias brasileiras incluídas no universo de cobertura do Santander, em geral, devem ter crescimento de 33% e 8%, nesta ordem.

Perspectivas de ganhos

O Santander revelou que sua projeção de crescimento de 87% no Ebitda das companhias é puxada pelo forte desempenho das mineradoras (+204% na comparação anual), das siderúrgicas (+166%), das empresas do setor de saúde (+87%) e do setor de papel e celulose (+69%).

"Por outro lado, nós esperamos que o desempenho mais fraco em relação ao crescimento do Ebitda no segundo trimestre desse ano seja reportado pelas companhias de energia e saneamento (+5%) e pelas empresas do setor de tecnologia, mídia e telecomunicações (+6%)", avaliaram os analistas do Santander.

Em relação à perspectiva de crescimento de 65% nos lucros por ação das empresas sob sua cobertura, o banco destacou que o desempenho da Vale é a principal influência, uma vez que os analistas esperam por uma alta de 276% no lucro por ação da mineradora entre abril e junho deste ano ante igual período de 2009.

Além disso, o desempenho das siderúrgicas (+54%), das empresas do setor de saúde (+52%) e petróleo, gás e petroquímico (+51%) também pesam positivamente nesta perspectiva de aumento acentuado no nível de lucro por ação das companhias brasileiras, segundo o Santander.

Na ponta oposta, as empresas de papel e celulose, alimentos e bebidas e tecnologia, mídia e telecomunicações devem registrar quedas nos ganhos por ação de 17%, 11% e 11%, nessa ordem. 

Ações que serão impactadas pelos resultados

Na análise do Santander, as ações que deverão repercutir positivamente os números financeiros e operacionais que serão revelados são CSN (CSNA3), Duratex (DTEX3), Vale (VALE3, VALE5), JBS (JBSS3), Suzano (SUZB5), Iochpe Maxion (MYPK3), Marcopolo (POMO4) e Minerva (BEEF3).

Em sentido oposto, o banco destacou que "as companhias cujos resultados do segundo trimestre de 2010 devem causar o impacto mais adverso em suas respectivas ações são Multiplan (MULT3) e AmBev (AMBV4)".  

 

* Para acessar a agenda de resultados elaborada pela InfoMoney, clique aqui.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host