UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

11/08/2010 - 16h49

Aumento de preços de imóveis não representa bolha, diz estudo

SÃO PAULO – O mercado imobiliário brasileiro não passa por um momento de “bolha” que possa vir a desestabilizar a economia, revelou a MB Associados, em estudo encomendado pela Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança).
O aumento de preços visto no mercado parece, conforme a conclusão do estudo, ser um processo gerado por oferta e demanda, não oferecendo riscos para a economia, ao contrário do que aconteceu nos Estados Unidos, com o crédito subprime que originou a crise de 2008.
Entre os motivos que afastam o Brasil de uma bolha no mercado imobiliário, o estudo aponta as condições macroeconômicas sólidas, a forte regulamentação e a classe média em forte processo de expansão de emprego e renda.
Renda x preços

De acordo com o estudo, mesmo que o preço do imóvel no Brasil suba na mesma proporção que nos Estados Unidos, a evolução poderá ser absorvida pela expansão da renda.
Para fazer o cálculo, levou-se em consideração que o preço do metro quadrado do imóvel subiria 11,2% ao ano entre 2009 e 2015, a mesma evolução que aconteceu nos Estados Unidos entre 1997 e 2006.
Mesmo que isso acontecesse, o crescimento do preço seria condizente com o crescimento da renda da população no período e a prestação mensal do imóvel ainda ficaria em torno de um terço da renda do comprador, conforme mostra a tabela abaixo:





















Prestação mensal x Renda mínima
2009Taxa de jurosPrestação mensalRenda mínima
Luxo 11% ao ano R$ 2.640 ao mês R$ 8.800
Média/luxo 11% ao ano R$ 1.629 ao mês R$ 5.431
Econômico 9% ao ano R$ 620 ao mês R$ 2.065
2015Taxa de jurosPrestação mensalRenda mínima
Luxo 11% ao ano R$ 4.995 ao mês R$ 16.649
Média/Luxo 11% ao ano R$ 3.083 ao mês R$ 10.275
Econômico 9% ao ano R$ 1.172 ao mês R$ 3.908
Fonte: Abecip/ MB Associados 

Hospedagem: UOL Host