UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

11/08/2010 - 12h20

Bom momento da economia faz com que a inadimplência recue 1,4% em julho

SÃO PAULO - O número de consumidores inadimplentes incluídos no SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) caiu 1,41%, frente a junho, aponta o indicador da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e do SPC Brasil, divulgado nesta quarta-feira (11).
As entidades apontam o bom desempenho da atividade econômica como motivo para a queda. Além disso, o mês de férias dos trabalhadores e a solicitação da primeira parcela do 13º contribuíram para a redução na inadimplência.
Outro fator apontado foi o 2º lote de restituição do IRPF (Imposto de Renda da Pessoa Física), que liberou os pagamentos para 2 milhões de contribuintes, totalizando um montante de R$ 2,09 bilhões.
Na comparação anual, foi verificado recuo ainda maior, de 5,99% nos novos registros de inadimplentes. Já no acumulado do ano, houve queda de 2,53% nos registros recebidos no SPC, frente ao mesmo período de 2009, o que pode ser atribuído ao aumento dos empregos e dos salários.
Perfil

Em julho, os consumidores entre 30 e 39 anos lideraram os registros de inadimplentes no SPC, com 25,91% das inclusões. Em seguida, ficaram os clientes com idade de 40 a 49 anos (21,87%), de 50 a 64 anos (18%), de 18 a 24 anos (11,72%) e de 25 a 29 (12,41%). As pessoas com idade acima de 65 anos tiveram o menor percentual de registros, de 9,5%.
No confronto por gênero, as mulheres foram responsáveis por 55,31% das inclusões, enquanto os homens responderam por 44,69%.
Registros cancelados

Na análise dos registros cancelados no SPC Brasil, que ocorrem depois que a dívida é quitada, houve alta de 17,92% entre junho e julho, o que significa que mais pessoas regularizaram seus débitos. Na comparação com julho de 2009, porém, houve alta mais discreta, de 4,34% nos cancelamentos. Já no acumulado de 2010, a alta é de 5,58% em relação ao mesmo período do ano passado.
Se as mulheres foram responsáveis pela maior parte das inclusões no SPC em julho, foram elas também que tiveram o maior número de registros cancelados, com 52,3%, contra 47,7% deles.
Por faixa etária, o maior volume de regularização dos débitos foi novamente dos consumidores com idade de 30 a 39 anos, com 27,88%. As outras faixas de idade, por sua vez, ficaram da seguinte forma: de 40 a 49 anos, com 21,66% dos cancelamentos, de 50 a 64 anos, com 16,51%, de 25 a 29 anos, com 14,7%, de 18 a 24 anos, com 12,02%, e acima de 65 anos, com 6,76%.
Hospedagem: UOL Host