UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

14/09/2010 - 19h29

Pesquisa de gestores do BofA mostra gestores de fundos menos expostos ao risco

SÃO PAULO – Embora o clima de cautela nos mercados globais continue mostrando forças, sobretudo com a perceptível diminuição no apetite dos investidores por posições de risco, a pesquisa com gestores de fundos do Bank of America Merrill Lynch de setembro apontou alguns pontos positivos, dando destaque especial para a China.

Segundo a pesquisa, um percentual líquido de 11% dos gestores entrevistados acredita que a economia chinesa vai se fortalecer nos próximos 12 meses, revertendo o cenário visto em agosto, quando 19% dos gestores apostavam em um enfraquecimento na atividade do país. O resultado marca a maior inversão mensal de percepção do mercado vista desde maio de 2009, informa o BofA.

"O sentimento acerca da economia chinesa se inverteu de significativamente 'bearish' (tendência negativa) para 'bullish' (tendência positiva) em apenas um mês", ressalta a equipe do banco. Essa evolução ganha ainda mais significância levando-se em conta que, em julho, um total líquido de 39% dos entrevistados estava “bearish” em relação ao gigante asiático.

O otimismo em relação ao país acaba atraindo mais investidores para o mercado local. De acordo com a pesquisa, 22% líquido dos gestores de fundos estão “overweight” (exposição acima da média do portfólio) no mercado de ações do país em setembro – em agosto, o percentual líquido era de 22% “underweight” (exposição abaixo da média) na renda variável chinesa.

China: forte o bastante para agir como trigger?

Apesar de todo esse sentimento de otimismo em torno da economia chinesa, os gestores de fundos entrevistados pelo BofA Merrill Lynch permanecem com um sentimento de neutralidade em relação aos grandes centros econômicos do mundo, como Estados Unidos, Reino Unido e a Zona do Euro, além de estarem “bearish” em relação ao Japão. 

Contudo, um ponto interessante levantado pela pesquisa é a percepção de que o mercado de ações europeu está "barato". “Apesar da redução do apetite pelo risco, dois terço dos investidores enxergam as bolsas da Europa como baratas, a maior leitura desde 2003. Isto oferece a oportunidade de um rali caso o noticiário econômico melhore”, diz Gary Baker, chefe de estratégia do BofA no mercado de ações europeu. 

Com a melhor percepção em torno da China, o estrategista-chefe de ações globais da área de pesquisa do banco, Michael Hartnett, espera ver um aumento na confiança dos investidores nos próximos meses. “A questão é se a China é um catalisador suficiente para provocar uma mudança”, diz Hartnett.

Valuations refletem cautela

Dando foco ao menor apetite dos investidores por risco, o relatório aponta a percepção dos mercados em relação aos preços dos ativos como um dos fatores para essa maior cautela. Segundo a pesquisa, um percentual líquido de 38% dos gestores acreditam que as ações estão sobrevalorizadas, enquanto 68% deles enxergam os bonds supervalorizados.

Com isso, o spread nos valuations percebidos para bonds e ações superou a marca dos 100 pontos pela primeira vez desde que o BofA deu início a essa pesquisa, em 2003.

Evidenciando esse posicionamento mais defensivo, as posições líquidas  underweight dos gestores de fundos em renda fixa caíram de 23% para 15% entre agosto e setembro. Dentre os setoriais, as alocações underweight em utilities (empresas do setor de energia elétrica e saneamento) ficaram em 11% neste mês, contra 27% vistos na pesquisa anterior.

Japão segue preocupando

Se os gestores estão empolgados com a China, o Japão, por sua vez, segue sendo motivo de preocupação. De acordo com a pesquisa do banco, um quinto dos entrevistados colocam a economia japonesa como a região em que eles estão menos expostos. Além disso, a distância entre ela e os EUA, atualmente o segundo pior em exposição dos mercados, aumentou na passagem mensal.

A maioria dos gestores acredita que o iene se desvalorize perante as principais divisas do globo. O total líquido de entrevistados que enxergam a moeda japonesa supervalorizada chegou a 72%, número que tem aumentado constantemente desde junho, quando ele girava em torno de 48%.

Entenda a pesquisa

A pesquisa com gestores é realizada mensalmente pelo Bank of America Merrill Lynch, com a assistência da companhia de pesquisa de mercado TNS. Em setembro, um total de 215 gestores de fundos, que administram cerca de US$ 579 bilhões, responderam à pesquisa no intervalo entre os dias 2 e 9 desse mês. As pesquisas regionais tiveram um total de 177 entrevistados, que gerenciam aproximadamente US$ 382 bilhões.

Hospedagem: UOL Host