! Moçambique cresceu de forma notável, diz balanço de premiê - 04/06/2009 - Lusa - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

04/06/2009 - 10h26

Moçambique cresceu de forma notável, diz balanço de premiê

Maputo, 4 jun (Lusa) - Moçambique cresceu de forma "notável" nos últimos cinco anos em áreas como vias de comunicação, energia e telecomunicações, considerou nesta quinta-feira no Parlamento a primeira-ministra, Luísa Diogo.

Falando no final de uma sessão de perguntas ao Governo, a última da legislatura (o Parlamento encerra no dia 27 e as eleições estão marcadas para outubro), a primeira-ministra fez um balanço muito positivo dos cinco anos e criticou a RENAMO (oposição), que nestes cinco anos, disse, não evoluiu.

Afirmando que o Governo da FRELIMO irá privilegiar áreas como a agricultura e construção de infra-estruturas, Luísa Diogo lembrou a construção da ponte sobre o rio Zambeze (a ser inaugurada no próximo mês) ou as obras na linha férrea do Sena, bem como o aumento da população servida com água, especialmente nas províncias de Nampula e Zambézia.

Nestes cinco anos, disse também, registraram-se mais 340 mil novos consumidores de energia elétrica, mais 34 sedes distritais eletrificadas (de 52 para 86) e mais assinantes de linha telefônica fixa.

Em cinco anos, segundo Luísa Diogo, o número de assinantes de telefone celular passou de 610 mil para 4,4 milhões, chegando a cobertura móvel a 111 distritos (73 há cinco anos).

Na área do combate ao HIV-Aids, é feito hoje o tratamento com anti-retrovirais a 135 mil pessoas, quando em 2004 eram seis mil os beneficiários, e no combate à fome passou-se de 800 mil pessoas com insegurança alimentar em 2004 para as atuais 420 mil, segundo o Governo.

A primeira-ministra já na quarta-feira tinha feito um balanço dos cinco anos de administração, quando confirmou que o país está se ressentindo da crise financeira mundial, apesar de ser uma luta que está sendo enfrentada "com muita serenidade".

"Confirmamos que os setores da indústria, exportações, agricultura, turismo, e recursos minerais estão a ressentir-se da crise mundial", disse Luísa Diogo.

Na área fiscal, segundo a responsável, a previsão para 2009 é de perda de receitas na ordem de 4,8 bilhões de meticais (cerca de R$ 351 milhões no câmbio atual) e um agravamento dos custos no serviço da dívida externa, devido à depreciação do metical e transferências dos recursos financeiros às embaixadas e outras aquisições publicas, na ordem de 535 milhões de meticais.

Em termos de mão-de-obra, nas empresas de investimento estrangeiro, as medidas de racionalização adotadas já afetaram 400 trabalhadores, sobretudo na indústria transformadora, têxtil, metalomecânica, gráfica, madeira e turismo.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host