! Rússia e China fazem acordo em extração e transporte de gás - 17/06/2009 - Lusa - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

17/06/2009 - 10h59

Rússia e China fazem acordo em extração e transporte de gás

Moscou, 17 de jun (Lusa) ? A Rússia e a China assinaram um memorando de entendimento mútuo na esfera da extração e transporte de gás natural depois do encontro dos presidentes dos dois países, Dmitri Medvedev e Hu Jintao, realizado nesta quarta-feira no Kremlin.

Em maio passado, Igor Setchin, vice-primeiro-ministro russo, anunciou que a Rússia planejava revelar as suas propostas sobre os fornecimentos de gás à China durante a visita de Hu Jintao a Moscou. Segundo ele, a Rússia está disposta a fornecer as quantidades de gás que o país vizinho quiser comprar.

O Programa de Gás Oriental, que está sendo coordenado pela empresa de gás russa Gazprom, prevê a criação, na Sibéria Oriental e no Extremo Oriente, de um sistema único de extração, transporte e fornecimento de gás tendo em conta as possibilidades de exportação do combustível para os mercados da China e de outros países da região da Ásia e Pacífico.

Porém, Alexandre Ananenkov, vice-diretor da Gazprom, reconheceu que os fornecimentos de gás russo à China não começarão em 2011, como estava previsto, mas mais tarde, devido a divergências face ao preço do combustível.

"As conversações continuam, ainda não chegamos a acordo sobre os preços, já não podemos falar do início em 2011, trata-se de um trabalho cuja envergadura já não se enquadra nesse ano", declarou Ananenkov, numa conferência de imprensa hoje realizada em Moscou.

"Logo que haja preço, começaremos a construção (de um gasoduto rumo à China), mas esta questão não é simples, o vendedor quer vender sempre mais caro e o comprador quer comprar mais barato", frisou.

Os dirigentes russos e chineses assinaram também um memorando de cooperação na esfera carbonífera.

Segundo esse documento, as empresas russas passam a poder participar na construção de uma central elétrica a carvão na China.

Foi também assinado outro memorando entre o consórcio russo Renova e a Empresa Pública de Extração de Ouro da China.

Medvedev e o seu homólogo chinês assinaram uma declaração conjunta, onde propõem uma nova ronda de conversações para "verificar a distribuição de cotas no Fundo Monetário Internacional".

"É necessário realizar atempadamente uma nova ronda de conversações para verificar a distribuição de cotas no FMI e elaborar um projeto de reforma do Banco Mundial, que aumente consideravelmente o direito de voto e a representação dos novos mercados e Estados em desenvolvimento nas estruturas financeiras mundiais", destaca-se na declaração.

"Faremos tudo para que os ritmos da cooperação econômica se mantenham este ano e para minimizar a influência da crise", declarou Dmitri Medvedev, no encontro com o seu homólogo chinês.

O presidente russo frisou que, em 2008, as trocas comerciais superaram os 50 bilhões de euros.

Hu Jintao recordou que este ano se comemora o 60º aniversário do estabelecimento de relações entre a Rússia e a República Popular da China.

"Durante estes 60 anos, as nossas relações percorreram um caminho complicado. O Governo e o povo da China jamais esquecerão que o Governo da União Soviética foi o primeiro a reconhecer a República Popular da China e a estabelecer relações diplomáticas", concluiu o Presidente chinês.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host