! Exportações angolanas para Brasil sofrem redução drástica - 09/07/2009 - Lusa - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

09/07/2009 - 15h06

Exportações angolanas para Brasil sofrem redução drástica

Brasília, 9 jul (Lusa) - As exportações de Angola para o Brasil, concentradas quase exclusivamente no petróleo, sofreram uma queda de 93,7% no primeiro semestre deste ano em comparação com o mesmo período de 2008, revelou nesta quinta-feira à Agência Lusa uma fonte de Brasília.

De acordo com os dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), a queda na quantidade de petróleo importado pelo Brasil de Angola foi de 82%.

De 1,467 milhões de toneladas adquiridas pelo Brasil de janeiro a junho de 2008, as compras no primeiro semestre deste ano caíram para 263,5 mil toneladas.

As razões, de acordo com a assessoria do ministro do Desenvolvimento, Miguel Jorge, são a crise internacional e o aumento da produção brasileira de petróleo.

Além disso, no ano passado, o Brasil precisou aumentar as suas importações de petróleo, porque algumas refinarias pararam para manutenção, o que ocorreu quando o preço do barril chegou a US$ 150.

Quanto às exportações brasileiras para Angola, que chegam a quase 4.000 produtos, não houve alterações significativas devido à crise.

As compras de Angola passaram de US$ 744 milhões no primeiro semestre de 2008 para US$ 765 milhões no mesmo período deste ano.

Os principais produtos brasileiros comprados pelos angolanos foram chassis com motor diesel, açúcar, barras de ferro, carrocerias, carne de porco, frango e boi, construções pré-fabricadas e móveis.

Moçambique

Contrariando o que ocorreu com Angola, as importações brasileiras de Moçambique, que praticamente não existiam, registaram um salto, ainda que os números continuem baixos.

No primeiro semestre deste ano, o Brasil comprou no mercado moçambicano US$ 2,1 milhões, quase que a totalidade em fumo não manufacturado.

No mesmo período de 2008, as importações limitaram-se a apenas US$ 1.162.

Já as exportações mantiveram-se no mesmo patamar - de US$ 16,9 milhões registando uma pequena subida para US$ 17,8 milhões.

Cabo Verde

Entre Brasil e Cabo Verde, outro país africano de língua portuguesa, as vendas brasileiras caíram 18,3% para US$ 13,479 milhões.

Este valor é, entretanto, mais alto, porque nas estatísticas do MDIC não estão computadas as vendas de produtos têxteis para o arquipélago.

Este comércio, que é significativo, faz-se através dos chamados "sacoleiros" que vêm ao Ceará comprar roupas para revenda.

As exportações de Cabo Verde para o mercado brasileiro são inexpressivas, à semelhança do que ocorre com São Tomé e Príncipe e Guiné-Bissau, que nada vendem ao Brasil.

Para São Tomé e Príncipe, o Brasil exportou US$ 4,5 milhões de no último semestre e para Guiné-Bissau, US$ 5,6 milhões.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host