UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

04/09/2009 - 15h02

Ministro luso diz ser 'prematuro' falar sobre Marcopolo

Guarda, 4 set (Lusa) - O ministro português da Economia, Teixeira dos Santos, disse nesta sexta-feira ser "prematuro" se pronunciar sobre a proposta do investidor belga que se mostrou interessado na unidade de produção de carrocerias de ônibus da Marcopolo, em Coimbra.

"É preciso estudar, analisar e, depois, decidir. Quando houver uma decisão, então haverá novidades", disse o ministro à Agência Lusa, no final de uma visita a duas fábricas do setor têxtil em Guarda (próxima da fronteira com a Espanha).

Por agora, "é prematuro" falar sobre o assunto porque isso "pode comprometer o sucesso da resolução de um problema que todos nós queremos que seja bem resolvido", acrescentou Teixeira dos Santos.

O investidor belga interessado na Marcopolo irá apresentar segunda-feira uma contraproposta ao grupo brasileiro, mas aguarda garantias concretas de apoio do Estado português, disse à Lusa o advogado de Patrick Jonckheere.

Luís Lourenço Matias disse que Jonckheere vai continuar em Portugal durante alguns dias para "desenvolver contatos com empresas", acrescentando que as negociações com a Marcopolo, uma das maiores produtoras do mundo de carroçaria de autocarros, estão numa "fase muito inicial".

Questão

Está em discussão a compra do ativo industrial da Marcopolo-Portugal, estoques, a continuidade da produção de ônibus, a conservação da marca por mais alguns meses e a manutenção de cerca de 140 dos atuais 173 trabalhadores, disse.

O titular da pasta da Economia e da Inovação salientou que o Governo está "trabalhando" para encontrar uma solução para a empresa e que "entidades acompanham esse processo" e que "têm conhecimento desse interesse [do empresário belga]".

"Com certeza que estarão a acompanhar e a informar quanto aos apoios que podem ser disponibilizados. Vamos deixar que o processo decorra. Acho que é prematuro estarmos aqui a falar ou a especular sobre isso", declarou Teixeira dos Santos.

Para o ministro, é necessário deixar fazer "o trabalho de analisar, ver o que é possível fazer, decidir", salientando que "tudo isso tem que ser feito antes de haver uma decisão".
Hospedagem: UOL Host