UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

15/10/2009 - 11h58

UE vê setor automotivo contra acordo com Coreia do Sul

Bruxelas, 15 out (Lusa) - A União Europeia (UE) e a Coreia do Sul assinaram nesta quinta-feira, em Bruxelas, "o mais importante acordo de livre comércio jamais negociado" entre as duas partes, apesar da oposição manifestada pela indústria automotiva europeia.

O compromisso "irá criar laços econômicos estreitos com outra economia desenvolvida e fazer surgir novas oportunidades de mercado para as empresas europeias nos setores dos serviços, da transformação e da agricultura", destacou a comissária europeia para o Comércio.

Catherine Ashton defendeu que o acordo é "particularmente importante no atual contexto econômico e irá ajudar a combater a recessão econômica e criar novos empregos".

A Comissão Europeia realça que uma das principais vantagens do acordo para a UE é a "eliminação rápida" de 1,6 bilhão de euros de direitos sobre as exportações europeias para a Coreia e a criação de novas oportunidades de comércio, que estima em 19 bilhões de euros.

O acordo também engloba a eliminação de entraves não-aduaneiros "importantes", incluindo regulamentação e normas em indústrias de interesse para a Europa, principalmente a automóvel, a farmacêutica e a eletrônica de consumo.

Setores de serviços como as telecomunicações, os serviços ambientais, jurídicos, financeiros e dos transportes marítimos deverão ser "os mais beneficiados", tendo a Coreia assumido "compromissos substanciais", no sentido de liberalizar estes setores, defende Bruxelas.

A assinatura de hoje constitui uma etapa importante antes da assinatura do acordo, o que acontecerá depois de os Estados-membros e o Parlamento Europeu aprovarem o compromisso negociado pela Comissão Europeia.

As conversações entre as duas partes suscitaram uma grande contestação de vários Estados-membros, como a Itália, e da indústria automóvel europeia que receiam que sejam concedidas vantagens às empresas sul-coreanas deste setor.

"Pedimos aos Estados-membros da UE para não ratificarem o presente texto do acordo", declarou hoje, em Bruxelas Ivan Hodac, secretário-geral da Associação Europeia dos Construtores de Automóveis (ACEA), depois do anúncio da conclusão das negociações entre as duas partes.
Hospedagem: UOL Host