UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

16/11/2009 - 14h07

Cassino vai retomar projetos suspensos em Macau

Macau, China, 16 nov (Lusa) - A Las Vegas Sands prevê relançar, em janeiro, os projetos suspensos em Macau e concluir a primeira fase até 2011, através da Oferta Pública Inicial de Ações (IPO, na sigla em inglês) na Bolsa de Hong Kong, agendada para o dia 30.

"Estamos confiantes de que já temos os fundos necessários para reiniciar os trabalhos", disse o diretor-executivo para a Ásia da Las Vegas Sands, Steve Jacobs, em videoconferência em Hong Kong.

Recentemente, a operadora de jogo com concessão em Macau garantiu um empréstimo de US$ 1,45 bilhão (R$ 2,5 bilhão, ao câmbio atual) junto a várias instituições financeiras, cuja primeira parcela, de US$ 750 milhões (R$ 1,29 bilhão), estará disponível no primeiro trimestre de 2010. A empresa ainda precisa conseguir US$ 300 milhões (R$ 518 milhões) para retomar os projetos suspensos no território há um ano.

Com o IPO de venda de ações na Bolsa de Hong Kong, a Sands espera obter dividendos líquidos na ordem de 14,715 bilhões de dólares de Hong Kong (R$ 3,28 bilhões), fora as despesas com a operação. Desse total, 3,875 bilhões de dólares de Hong Kong (R$ 860 milhões) serão canalizados para o relançamento das obras no Cotai, e 6,347 bilhões de dólares de Hong Kong (R$ 1,4 bilhão) para o pagamento de compromissos bancários.

A companhia prevê ainda amortizar um empréstimo feito pela Sands China através de 2,325 bilhões de dólares de Hong Kong (R$ 520 milhões).

Projetos

Com a arrecadação, a empresa está confiante em que, até o final do ano, conseguirá angariar o capital necessário para retomar, em janeiro, a construção na zona do Cotai, que será desenvolvida em três fases, para o que precisará contratar 12 mil trabalhadores, depois de ter demitido cerca de 11 mil no final de 2008, explicou o presidente da Las Vegas Sands, Sheldon Adelson.

A primeira fase do projeto, com um investimento calculado em US$ 2 bilhões (R$ 3,46 bilhões), excluindo juros, abrange três hotéis das marcas Shangri-La, Sheraton e Traders, com cerca de 3.700 quartos, 670 mesas de jogo e 2.200 caça-níqueis, que deverão abrir as portas até junho de 2011.

Com a abertura da primeira fase do empreendimento na zona do Cotai, em frente ao Venetian e ao Four Seasons - também de propriedade da Sands -, a operadora espera aumentar sua participação de mercado para mais de 30% frente à atual fatia, que se situa entre 22% e 24%.

Depois de 2011, a empresa espera concluir o projeto, que, entre outras instalações, abrange ainda a construção de um hotel St. Regis, com 440 quartos.

O terreno de 13,3 milhões de pés quadrados (1,24 milhão de metro quadrado) onde a Sands tem os projetos suspensos há um ano foi cedido pelo governo de Macau, que propôs à operadora, em 11 de novembro, o pagamento de um bônus de cerca de 1,9 bilhão de patacas (R$ 410 milhões). De acordo com o prospecto do IPO, a Sands pretende aceitar a condição.

Adelson reiterou a confiança de que, quando assumir o cargo de chefe do Executivo, em 20 de dezembro, Fernando Chui Sai On autorizará a venda dos apart-hotéis do Four Seasons, e destacou a intenção da operadora de vender os centros comerciais do Venetian e Four Seasons a partir de 2011, "quando estiverem mais valorizados".

A Sands colocará à venda, na Bolsa de Hong Kong, um total de 1,87 bilhão de ações, com preços entre 10,38 (R$ 2,31) e os 13,88 dólares de Hong Kong (R$ 3,09), e, com o IPO, deterá entre 70,3% e 71,5% da Sands China.

Até o final do ano, a operadora prevê um aumento do Ebitda (ganhos antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de 15%, para US$ 803 milhões (R$ 1,38 bilhão), frente aos US$ 696 milhões (R$ 1,202 bilhão) de 2008, explicou o presidente da Sands para a Ásia, Steve Jacobs.
Hospedagem: UOL Host