UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

02/11/2009 - 09h07

Os resultados de pesquisas da China mais do que duplicaram desde 2004, conforme revela um estudo da Thomson Reuters

A Nação é a segunda, atrás apenas dos Estados Unidos FILADÉLFIA e LONDRES, 2 de novembro /PRNewswire/ -- Um estudo da Thomson Reuters divulgado hoje mostra um crescimento explosivo nos resultados de pesquisas da China, ultrapassando de longe a atividade de pesquisas realizadas no resto do mundo.

Neste ritmo, a China irá superar os Estados Unidos dentro da próxima década.

O estudo, Relatório de Pesquisa Global: China, informa aos elaboradores de políticas sobre o potencial de pesquisa e colaboração da China e seu atual lugar na ciência mundial. O estudo é parte de uma série de Relatórios de Pesquisa Global da Thomson Reuters que ilustram o cenário de mudanças e a dinâmica da pesquisa global em todo o mundo.

"Se o crescimento da pesquisa na China continuar tão rápido e substancial, as instituições da Europa e da América do Norte irão querer fazer parte dele", disse Jonathan Adams, Diretor de Avaliação de Pesquisas da Thomson Reuters. "A China não depende mais de ligações com os parceiros tradicionais do G8 para ajudarem no desenvolvimento de seu conhecimento. Quando a Europa e os EUA visitam a China, eles podem somente fazê-lo como parceiros iguais".

O estudo foi inspirado em dados encontrados na Web of Science(R), disponível na plataforma Web of Knowledge(SM) -- o maior ambiente de citações da literatura acadêmica da mais alta qualidade. As principais descobertas incluem: - Os resultados da China cresceram de um pouco mais de 20.000 documentos de pesquisas em 1998 para quase 112.000 em 2008, a nação dobrou seus resultados somente desde 2004. A China ultrapassou o Japão, o Reino Unido e a Alemanha em 2006 e agora está em segundo lugar, atrás apenas dos Estados Unidos.

- A China está no caminho para superar os EUA em resultados dentro da próxima década.

- A pesquisa na China está concentrada nas ciências físicas e na tecnologia. A ciência de materiais, a química e a física predominam. Com vista no futuro, o rápido crescimento pode ser observado nos campos das ciências agrícolas e ciências da vida tais como a imunologia, a microbiologia e a biologia molecular e genética.

- Os EUA se destacam em termos de colaborações com a China, autores baseados nos Estados Unidos contribuíram com cerca de 9 por cento dos documentos de instituições baseadas na China entre 2004 e 2008. - A expansão da colaboração regional é notável, especialmente com o Japão, Coréia do Sul, Cingapura e Austrália.

Para mais informações, visite o endereço: http://researchanalytics.thomsonreuters.com/grr/ .

Para os membros da mídia que desejarem uma cópia do relatório completo, por favor entrem em contato com susan.besaw@thomsonreuters.com .

Thomson Reuters A Thomson Reuters é a maior fonte mundial de informação inteligente para companhias e profissionais. Combinamos a experiência no setor com tecnologia inovadora para fornecer informação essencial aos principais tomadores de decisão nos mercados financeiro, jurídico, de tributação e contabilidade, de cuidados com a saúde, científico e mídia, impulsionada pela mais confiável organização de notícias do mundo. Com sede em Nova York e principais operações em Londres e Eagan, Minnesota, a Thomson Reuters emprega mais de 50.000 pessoas e opera em mais de 100 países. As ações da Thomson Reuters são negociadas na Bolsa de Valores de Toronto (TSX: TRI) e na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE: TRI). Para mais informações, visite o endereço: www.thomsonreuters.com .

FONTE Thomson Reuters 02/11/2009 CONTATO: Susan Besaw, Cuidados com a Saúde & Ciência, 215-823-1840, susan.besaw@thomsonreuters.com, ou Pamela Lim, Cuidados com a Saúde & Ciência, 6411-6737, pamela.lim@thomsonreuters.com, ambas da Thomson Reuters

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host