UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

18/01/2010 - 12h17

Previsões do Saxo Bank para 2010: 'Ano de reflação'

A reflação está prolongando a crise e o Saxo Bank prevê que o ano de 2010 poderá se transformar em uma montanha-russa
COPENHAGEN, 18 de janeiro /PRNewswire/ -- O Saxo Bank, especializado em negociação e trading on-line, publica hoje suas previsões financeiras anuais para 2010. A entidade afirma que 2010 será um ano de reflação e que as tendências positivas observadas já no segundo semestre de 2009 continuarão durante esse novo ano. Entretanto, afirma que persistem os aspectos estruturais negativos que poderiam fazer com que 2010 se transformasse em uma montanha-russa.
Christian Tegllund Blaabjerg, diretor de estratégia de renda variável do Saxo Bank, observa que "A atual melhora registrada pelos mercados financeiros no que se refere aos números do PIB e confiança dos consumidores é semelhante   bolha especulativa alimentada pelo dinheiro fácil entre 2003 e 2006. As bolhas foram abordadas por meio de juros mais baixos e aumento da dívida. Os baixos tipos de juros alimentaram uma especulação selvagem, riscos morais, excesso de investimentos e investimentos equivocados, o que criou uma carga de dívida impossível de assumir. O que precisamos agora é de um desendividamento e da suspensão de pagamentos para reduzir o peso da dívida e fazer com que possa ser reassumida. Infelizmente, todos os esforços dos governos para estimular a economia são um obstáculo para a sustentabilidade a longo prazo e apenas contribuirão para prolongar a crise em 2010".
O setor privado encontra-se imerso em um processo de desalavancamento, o qual continuará durante a próxima década devido a taxas de desemprego cada vez mais elevadas, a uma capacidade de produção instalada excessiva e  s contínuas dificuldades para acesso ao crédito. Dessa situação resultarão pressões desinflacionistas/deflacionistas, principalmente nos próximos três anos.
Os mercados de trabalho vão se manter em uma situação de estresse considerável durante todo o ano de 2010. Nos Estados Unidos, a taxa de desemprego continuará aumentando até estabilizar-se em torno de 10,7%; na Zona do Euro, o desemprego vai aumentar bastante, chegando a 10,2%; aumentará também no Japão, mas apenas até 5,2%.
Em termos de previsões de crescimento, o Saxo Bank projeta para os Estados Unidos um fraco crescimento econômico durante 2010, sendo que a meta do seu PIB será 2,2%. Para a Zona do Euro, que contudo não está em recessão, 2010 será um ano difícil, com um fraco crescimento econômico de 1,4%. O Japão vai ter de volta a deflação, com a possibilidade de uma queda de dois dígitos.
Tipos de juros. Nos Estados Unidos, os tipos de fundos federais deverão se manter inalterados durante 2010, e os reajustes das hipotecas e o refinanciamento do mercado imobiliário comercial poderão forçar o banco central americano (FED) a continuar adquirindo fundos mediante o programa de resgate TARP. Na Zona do Euro, prevemos uma recuperação constante porém modesta, com fatores negativos como o aumento do desemprego e alguns gastos de consumo e inflação moderados. Entre os fatores que poderiam desencadear turbulências nos mercados mundiais em 2010, destaca-se como o mais influente uma forte queda da atividade econômica na China, com o nível de exportações quase 20% inferior ao de 2009.
O mercado de divisas de 2009 foi dominado pela demanda de risco e o surgimento do carry trade do dólar norte-americano. O ano de 2010 poderá trazer muitos resultados inesperados. Deveríamos esperar que as divisas de menor rendimento, com menor taxa de crescimento, sofram efeitos cambiais, como o dólar norte-americano e o yen japonês.
Nos mercados de renda variável, nossa melhor manobra para esse ano é melhorar a exposição aos ciclos, especialmente Energia, na primeira metade de 2010, e posições defensivas na segunda metade de 2010.
Os importantes fluxos atuais para investimentos em matérias-primas se manterão, com vistas a ganho s sustentáveis da economia. O ouro será volátil em algumas ocasiões e estará exposto a baixas trimestrais ou anuais de 30% a 50%, mas a tendência geral será de alta. Situamos o objetivo para um ano em 1.200 dólares norte-americanos/onça e para cinco anos em 1.500 dólares norte-americanos/onça. Quanto aos produtos agrícolas, o comportamento do preço do milho será positivo em 2010, haverá uma moderação relativa nos preços do trigo e um maior enfraquecimento dos preços do açúcar.
Para maiores informações:
Uriel Alvarado Cancino, diretor de marketing para a Região Latina. Saxo Bank +45-3977-4643, ual@saxobank.com
Aida Blanco Real, diretora de projeto de marketing para a Região Latina. Saxo Bank +45-3977-4195, are@saxobank.com
Sobre o Saxo Bank
O Saxo Bank é uma entidade especializada em negociações e trading on-line que permite que seus clientes negociem divisas, CFDs, ações, futuros, opções e outros derivados. O Saxo Bank administra também carteiras através do SaxoWebTrader e do SaxoTrader, as principais plataformas de negociação on-line. O SaxoTrader está disponível diretamente através do Saxo Bank ou de um dos parceiros mundiais do banco. A Marca Branca é uma área de negócio importante para o Saxo Bank, e oferece plataformas de negociação on-line do Saxo Bank que podem ser personalizadas e adaptadas com a marca de outra instituição financeira ou corretora. O Saxo Bank tem mais de 120 parceiros da Marca Branca e milhares de clientes em mais de 180 países. A sede do Saxo Bank fica em Copenhague e o banco tem escritórios também na Austrália, China, República Checa, França, Grécia, Itália, Japão, Holanda, Cingapura, Espanha, Suíça, Reino Unido e nos Emirados Árabes Unidos.
FONTE Saxo Bank
18/01/2010
CONTATO: Uriel Alvarado Cancino, diretor de marketing para a Região Latina, +45-3977-4643, ual@saxobank.com; ou Aida Blanco Real, diretora de projeto de marketing para a Região Latina,
+45-3977-4195 are@saxobank.com, ambos do Saxo Bank

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host