UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

15/10/2009 - 13h30

Juro ao consumidor cai para 7,01% em setembro, o menor desde 1995

Da Redação
Em São Paulo
Em setembro, a taxa de juros média geral para pessoa física apresentou uma redução de 0,07 ponto percentual nem setembro e chegou a 7,01% ao mês, a menor taxa da série histórica iniciada em 1995, segundo pesquisa divulgada pela Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).

Para as empresas, também houve redução das taxas. A queda foi de 0,09 ponto percentual, para 3,89% ao mês (58,08% ao ano) em setembro. Essa é a menor taxa de juros média desde março de 2001.

A pesquisa mostrou, ainda, que as taxas de juros cobradas nos empréstimos apresentam queda maior do que a da Selic. No intervalo de dezembro de 2008 a setembro de 2009, houve uma redução de 5 pontos percentuais na taxa básica de juros, a Selic. Ou seja, taxa básica passou de 13,75% ao ano para 8,75% ao ano.

Segundo a Anefac, em igual período, a taxa de juros média para pessoa física apresentou uma redução de 12,44 pontos percentuais, ao passar de 137,91% ao ano, em dezembro de 2008, para 125,47% ao ano, em setembro de 2009.

Nas operações de crédito para as empresas (pessoas jurídicas) houve uma redução de 8,61 pontos percentuais, de 66,69% ao ano, em dezembro de 2008, para 58,08% ao ano em setembro de 2009.

"Essas reduções podem ser atribuídas à melhora no cenário econômico e à maior competição no sistema financeiro", destaca o coordenador da pesquisa e vice-presidente da Anefac, Miguel José Ribeiro de Oliveira, em nota.

A expectativa da associação é que daqui para a frente os consumidores deverão contar com reduções dos juros das operações de crédito em patamares superiores às quedas da taxa básica de juros ou reduções das taxas em momentos de Selic inalterada.

"Essa é uma situação nova", diz a instituição em nota, uma vez que "durante muito tempo, consumidores conviveram com reduções das taxas de juros em patamares inferiores às quedas ocorridas na Selic (em vários momentos inclusive houveram quedas da Selic e aumento dos juros ao consumidor)".

Segundo a Anefac, há vários motivos para explicar essa mudança. Um deles é que, com a Selic em baixa, os bancos ficam desestimulados em aplicar em títulos públicos e optam por emprestar recursos.

Outros fatores são a maior competição no sistema financeiro, a redução do risco de inadimplência, a possível criação do Cadastro Positivo e o "ainda baixo volume de crédito" no país.

A associação cita ainda o fato de as taxas de juros se encontrarem em patamares elevados, o que permite mais reduções. Também deve ser levado em conta, segundo a Anefac, a pressão do governo nos bancos para que haja redução do spread (diferença entre taxa de captação dos recursos e a cobrada na hora de conceder empréstimos) e o possível aumento do crédito nas instituições privadas, uma vez que perderam espaço para as públicas no período da crise econômica.

(Com informações da Agência Brasil)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host