UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

17/04/2012 - 18h43

Repsol dá como certa nacionalização da petroleira YPF na Argentina

Do UOL, em São Paulo

A petroleira espanhola Repsol já dá como certa a nacionalização da YPF e, em algumas semanas, vai desenvolver um plano estratégico para suas atividades sem considerar as operações de sua filial argentina.

O governo argentino decidiu nacionalizar parte da petroleira YPF, filial do grupo espanhol Repsol, acusando a empresa de não cumprir os compromissos de investimentos no país. A decisão azedou as relações diplomáticas entre Argentina e Espanha, apoiada pela União Europeia.

A presidente Cristina Kirchner enviou na segunda-feira (16) um projeto de lei ao Congresso declarando 51% da YPF de utilidade pública. Atualmente, a espanhola Repsol controla 57,4% do capital da YPF.

"A expropriação ilegal de YPF não afeta o potencial de crescimento de todas as empresas fora da Argentina Repsol", disse o presidente da companhia da Espanha, Antonio Brufau, após uma entrevista coletiva de mais de duas horas. 

"Vamos apresentar um plano estratégico no final de maio, para coincidir com a reunião geral (...) para nós YPF é uma conta a receber", disse Brufau. 

A Repsol informou que pedirá mais de US$ 9 bilhões à Argentina pela expropriação de 51% de sua unidade YPF.

A Argentina não vai pagar o valor que a companhia espanhola está pedindo, disse o vice-ministro da economia argentino, Axel Kicilliof, nesta terça-feira. 

 
Cristina Kirchner conseguiu vencer a resistência interna de vários governadores sobre a desapropriação da YPF ao anunciar que, das ações desapropriadas, 49% serão de responsabilidade das províncias (Estados) onde a empresa atua. O governo federal ficará com 26,06% e as regiões produtoras, com 24,99%.
 
A Repsol YPF rejeita o argumento oficial e diz que em 2012 previa investir 15 bilhões de pesos (US$ 3,4 bilhões). O presidente, Antonio Brufau, disse que vai recorrer à arbitragem internacional e exigirá uma compensação pelas ações expropriadas em torno de US$ 18,3 bilhões.
 
Segundo o projeto de lei, a avaliação da companhia ficará a cargo do Tribunal de Taxação, mas não explica de onde sairão os fundos para o pagamento das ações expropriadas.

 

Queda de braços

O governo e as províncias produtoras de petróleo acusam a YPF de não cumprir compromissos de investimento e dizem que isso obriga o país a importar grandes volumes de hidrocarbonetos.

Um documento das províncias produtoras divulgado este ano diz que "a queda da produção de todas as empresas de gás e petróleo foi de 11% e 18%, respectivamente". No caso da Repsol-YPF, a redução teria sido “entre 30%-35% de sua produção de petróleo nos últimos anos e de mais de 40% da de gás".

A petroleira negou a falta de investimentos e disse que realizará "os maiores investimentos da história da empresa em 2012", da ordem de 15 bilhões de pesos (US$ 3,4 bilhões).

Seis províncias argentinas já haviam retirado da companhia a concessão sobre 16 áreas de exploração.

A Repsol disse que pediu o diálogo com o governo argentino para resolver o futuro da empresa, mas que não teve resposta.

Repsol YPF é líder no mercado de combustíveis na Argentina

A Repsol-YPF é o maior produtor local de hidrocarbonetos e líder do mercado de combustíveis, com 54% do refino. Sua filial YPF, privatizada nos anos 1990, controla 52% da capacidade de refinamento da Argentina e dispõe de uma rede de 1.600 estações de serviços.

A filial argentina representa dois terços da produção de petróleo da Repsol (62%) e quase a metade de suas reservas (1 bilhão de barris de um total de 2,2 bilhões).

(Com informações das agências de notícias)

Hospedagem: UOL Host