UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

19/09/2006 - 18h16

Crise na Tailândia faz Bolsa cair 1,64% e dólar subir 0,79%, a R$ 2,164

Por Nathália Ferreira

SÃO PAULO, 19 de setembro (Reuters) - Investidores já mostravam cautela um dia antes da reunião do Federal Reserve e encontraram nesta terça-feira mais motivos para evitar apostas arriscadas depois de um golpe de estado na Tailândia.

O Exército tailandês tomou o controle de Bangcoc e anunciou a criação de uma comissão para reformar a Constituição do país. Em Nova York para uma conferência da Organização das Nações Unidas, o primeiro-ministro Thaksin Shinawatra declarou estado de emergência, mas a transmissão de suas palavras por uma emissora de TV foi cortada após dez minutos.

Os mercados sofreram com as notícias, principalmente os emergentes. A Bolsa de Valores de São Paulo caiu 1,64%, e o dólar avançou 0,79% frente ao real. O risco Brasil subiu, enquanto os títulos da dívida de emergentes em geral perderam terreno.

A moeda tailandesa registrou a maior queda diária em três anos, arrastando outras divisas asiáticas para baixo. As Bolsas norte-americanas também acentuaram a queda depois das notícias, mas recuperaram parcialmente o fôlego no fim da sessão.

"Os fatos na Tailândia podem provocar (um contágio) se os agentes decidirem tirar o risco da mesa e retirar seu dinheiro de outros mercados emergentes", explicou o estrategista de câmbio do IDEAGlobal em Londres, Divyang Shah.

Outro foco de tensão geopolítica, a disputa entre o Ocidente e o Irã sobre o programa nuclear do Teerã, também foi acompanhado pelos investidores. O presidente dos EUA, George W. Bush, afirmou que pode discutir sanções caso o governo iraniano continue protelando a suspensão do enriquecimento de urânio.

Sobre a reunião do Fed, a expectativa ainda é de manutenção do juro na quarta-feira. Dados desta manhã reforçaram a visão de que não há motivos para um ajuste da taxa.

Os preços no atacado dos EUA subiram apenas 0,1% em agosto. Em outro relatório, o governo dos EUA informou que a construção de moradias caiu 6,0% no mês passado.

Entre as empresas, as ações da VCP <VCPA4.SA> foram destaque de alta na Bovespa depois de a empresa ter fechado um acordo de permuta de ativos com a norte-americana International Paper <IP.N>.

Veja como encerraram os principais mercados nesta terça-feira:

CÂMBIO <BRBY>

O dólar terminou a R$ 2,164, com alta de 0,79%. O volume de negócios no segmento interbancário ficou em 2,72 bilhões de dólares, acima da cifra de R$ 1,91 bilhão da véspera.

BOLSA <.BVSP>

A Bovespa encerrou em queda de 1,64%, a 35.885 pontos. O volume financeiro foi de R$ 2,026 bilhões.

ADRs BRASILEIROS <.BR20>

O índice de principais ADRs brasileiros caiu 2,01%, a 18.634 pontos. Os principais destaques ficaram com CSN <SID.N>, com baixa de 4,15%, e Pão de Açúcar <CBD.N>, que recuou 3,44%. Votorantim <VCP.N> registrou alta de 9,07%.

JUROS <0#2DIJ:>

A maioria dos contratos de depósito interfinanceiro (DI) subiu na Bolsa de Mercadorias & Futuros. O DI janeiro de 2007 caiu de 13,81 para 13,80%, enquanto o DI janeiro de 2008 avançou de 13,58 para 13,65%.

GLOBAL 40 <BRAGLB40=RR>

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, recuava levemente no final da tarde, a 129,9% do valor de face, oferecendo rendimento de 6,5% ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

No final da tarde, o risco Brasil subia 8 pontos, para 226 pontos-básicos. O EMBI+ avançava 6 pontos, a 198 pontos-básicos.

TREASURIES DE 10 ANOS <US10YT=RR>

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, subia e o rendimento recuava a 4,74%, ante 4,81% no final da segunda-feira.

(Com reportagem adicional de Juliana Siqueira)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host