UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

21/09/2006 - 07h54

PANORAMA1-Quadro político ganha espaço às vésperas da eleição

Por Juliana Siqueira

SÃO PAULO, 21 de setembro (Reuters) - O golpe de Estado na Tailândia e os desdobramentos do "dossiê Serra" na reta final da eleição mostraram que o mercado brasileiro está mais suscetível a soluços.

O comunicado do Federal Reserve, divulgado na véspera junto com a esperada decisão de manter o juro em 5,25 por cento ao ano, fez pouco para diminuir as incertezas sobre o crescimento da maior economia do mundo.

Com isso, um movimento de aversão ao risco ganhou espaço.

O rendimento dos Treasuries de 10 anos, referência do mercado, atingiu na quarta-feira o menor nível em quase seis meses, em parte pelo aumento da procura por ativos mais seguros. O risco-país saiu de 218 pontos no início da semana para quase 230 pontos-básicos.

O recuo dos preços de commodities nos últimos dias também tem atrapalhado o desempenho dos ativos brasileiros, em especial da bolsa paulista --com grande peso de papéis ligados a petróleo e metais.

O barril do petróleo está oscilando em torno de 60 dólares em Nova York, 10 dólares abaixo do patamar em que iniciou o mês.

"Quando você tem uma combinação de valorização esticada com manchetes negativas globalmente, então há uma realização de lucros. E é isso o que estamos vendo acontecer nos últimos dias", disse Siobhan Morden, estrategista de mercado de dívida da América Latina no ABN Amro.

Nesta quinta-feira, saem alguns indicadores sobre a economia dos EUA: índice de principais indicadores, relatório de atividade industrial do Fed de Chicago e o de condições empresariais do Fed da Filadélfia.

No Brasil, investidores continuarão atentos às notícias politícas. Analistas não colocam em dúvida a reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas já questionam a sustentação da governabilidade em um segundo mandato.

No fim do dia, a Eletropaulo <ELPL6.SA> deve precificar sua oferta de ações.

Para ler a agenda do dia, clique [nN20402973]

Veja como encerraram os principais mercados na quarta-feira:

CÂMBIO <BRBY>

O dólar terminou a 2,178 reais, com alta de 0,65 por cento. O volume de negócios no segmento interbancário ficou em 2,39 bilhões de dólares. O Banco Central informou que o fluxo cambial está positivo nos primeiros 10 dias úteis de setembro, em 2,598 bilhões de dólares.

BOLSA <.BVSP>

A Bovespa encerrou em baixa de 1,92 por cento, a 35.196 pontos. O volume financeiro foi de 2,269 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS <.BR20>

O índice de principais ADRs brasileiros caiu 1,96 por cento, aos 18.269 pontos. Os principais destaques ficaram com Pão de Açúcar <CBD.N>, que caiu 4,38 por cento, e Petrobras <PBR.N>, com baixa de 3,84 por cento.

JUROS <0#2DIJ:>

Os contratos de depósito interfinanceiro (DI) subiram na Bolsa de Mercadorias & Futuros. O DI janeiro de 2007 passou de 13,80 para 13,81 por cento. O DI janeiro de 2008 avançou de 13,65 a 13,71 por cento.

GLOBAL 40 <BRAGLB40=RR>

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, caiu para 129,625 por cento do valor de face, oferecendo rendimento de 6,55 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

No final da tarde, o risco Brasil subia 3 pontos, para 229 pontos-básicos. O EMBI+ avançava 1 ponto, a 199 pontos-básicos.

TREASURIES DE 10 ANOS <US10YT=RR>

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, ficou praticamente estável, com rendimento de 4,737 por cento.

(Reportagem adicional de Manuela Badawy e Nathália Ferreira)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host