UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

22/09/2006 - 18h20

Mercados mostram pouco fôlego e fecham no zero a zero

Por Daniela Machado

SÃO PAULO, 22 de setembro (Reuters) - As perdas dos últimos três dias deram lugar à estabilidade dos mercados nesta sexta-feira. Alguns ajustes técnicos ajudaram a brecar a desvalorização dos ativos brasileiros --que não encontraram, no entanto, força para uma recuperação.

O dólar terminou estável, mantendo o patamar de 2,20 reais reconquistado na véspera. O Ibovespa teve variação negativa de 0,09 por cento, enquanto os juros futuros recuaram.

Temas que perturbaram os investidores nos últimos dias, como o temor de um "pouso forçado" da economia norte-americana, instabilidade em países emergentes e os efeitos do "dossiê Serra", ainda não se dissiparam. E, diante do final de semana, a palavra de ordem foi não assumir posições.

"Os mercados emergentes terão dificuldade para se diferenciar num ambiente em que um 'fly to quality' pode dominar as negociações nos próximos meses", apontou em relatório o estrategista-chefe do BNP Paribas no Brasil, Alexandre Lintz.

A ausência de indicadores econômicos mais relevantes também contribuiu para o zero a zero dos mercados.

Nos Estados Unidos, as bolsas de valores recuaram, ainda no embalo de fracos dados sobre a atividade econômica divulgados na véspera. O rendimento dos Treasuries de 10 anos, referência do mercado, caiu abaixo de 4,6 por cento pela primeira vez em mais de seis meses --em meio a crescentes expectativas de que o desaquecimento dos EUA poderá motivar o Federal Reserve a começar a cortar o juro no ano que vem.

Veja como encerraram os principais mercados nesta sexta-feira:

CÂMBIO <BRBY>

O dólar terminou a 2,208 reais, estável em relação ao fechamento anterior. O volume de negócios no segmento interbancário foi de 1,67 bilhão de dólares, inferior ao dos últimos dias.

BOLSA <.BVSP>

A Bovespa registrou oscilação negativa de 0,09 por cento, a 34.798 pontos. O giro financeiro foi de 2,048 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS <.BR20>

O índice de principais ADRs brasileiros recuou 0,31 por cento, a 17.777 pontos. Os principais destaques ficaram com CPFL Energia <CPL.N>, com queda de 4,11 por cento, e Itaú <ITU.N>, com baixa de 1,78 por cento.

JUROS <0#2DIJ:>

Os contratos de depósito interfinanceiro (DI) interromperam três pregões seguidos de forte alta na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F). O DI janeiro de 2007 caiu de 13,83 para 13,78 por cento. O DI janeiro de 2008 recuou de 13,88 para 13,71 por cento.

GLOBAL 40 <BRAGLB40=RR>

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, subia levemente, para 129,3 por cento do valor de face, oferecendo rendimento de 6,59 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

O risco Brasil avançou 8 pontos, para 252 pontos-básicos. O EMBI+ subiu 5 pontos, para 217 pontos-básicos.

TREASURIES DE 10 ANOS <US10YT=RR>

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, subia e o rendimento caía para 4,59 por cento, ante 4,64 por cento no final da quinta-feira.

(Com reportagem adicional de Juliana Siqueira e Carolina Montenegro)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host