UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

17/01/2007 - 18h41

Risco baixo garante queda do dólar; Bovespa sobe pouco

Por Nathália Ferreira

SÃO PAULO, 17 de janeiro (Reuters) - O cenário externo um pouco mais favorável aos mercados emergentes, com o risco-país na mínima histórica, fez o dólar recuar nesta quarta-feira. Mas a Bolsa de Valores de São Paulo ainda patina para se recuperar.

O risco dos emergentes, medido pelo banco JP Morgan, atingiu o menor patamar da história nesta tarde, a 165 pontos-básicos sobre os Treasuries, enquanto a porção brasileira caiu a 185 pontos, também na mínima.

Analistas afirmam que a quantidade de bônus soberanos dos emergentes será insuficiente para satisfazer o apetite do mercado por ativos de alto rendimento.

A queda do risco Brasil, que demonstra a confiança do investidor estrangeiro no país, reforçou a perspectiva de continuidade de ingressos de recursos e ajudou na queda do dólar.

"O fluxo está sendo muito positivo, o cenário interno e externo está sem movimentos ruins e o risco-país caiu consideravelmente", afirmou Tarcísio Rodrigues, diretor de câmbio do banco Paulista.

Já a Bovespa tem tido mais dificuldade para se recuperar com vigor e retomar o patamar de 45 mil pontos, atingido no começo do mês. Muitos investidores aguardam mais dados sobre a economia dos Estados Unidos nesta quinta-feira.

As bolsas norte-americanas operavam em baixa perto do fechamento. Dados econômicos desta sessão reforçaram a expectativa de que o Federal Reserve manterá o juro inalterado por algum tempo.

O Índice de Preços ao Produtor (PPI, na sigla em inglês) avançou 0,9 por cento em dezembro, e o núcleo subiu 0,2 por cento. A mediana das previsões de economistas era de alta de 0,5 por cento no índice cheio e de 0,1 por cento no núcleo.

Na quinta-feira, os mercados estarão de olho no Índice de Preços ao Consumidor dos EUA (CPI, na sigla em inglês), nas construções de novas moradias e num discurso do chairman do Fed, Ben Bernanke.

Veja como encerraram os principais mercados nesta quarta-feira:

CÂMBIO <BRBY>

O dólar terminou a 2,134 reais, com declínio de 0,33 por cento. O volume de negócios no segmento interbancário ficou em 3,05 bilhões de dólares.

BOLSA <.BVSP>

A Bovespa encerrou em alta de 0,26 por cento, a 42.735 pontos. O volume financeiro foi de 2,99 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS <.BR20>

Perto do fechamento, o índice de principais ADRs brasileiros operava estável, aos 21.681 pontos.

JUROS <0#2DIJ:>

A maioria de contratos de depósito interfinanceiro (DI) caiu na Bolsa de Mercadorias & Futuros. O DI janeiro de 2008 e o DI janeiro de 2009 caíram a 12,40 por cento.

GLOBAL 40 <BRAGLB40=RR>

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, subia levemente, para 132,5 por cento do valor de face, oferecendo rendimento de 6,08 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

O risco Brasil recuava 7 pontos, para a mínima histórica de 185 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 165 pontos-básicos.

TREASURIES DE 10 ANOS <US10YT=RR>

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, cedia e o rendimento avançava a 4,78 por cento, ante 4,75 por cento no final da terça-feira.

(Reportagem adicional de Juliana Siqueira)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host