UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

02/03/2007 - 08h31

PANORAMA1-Saída de Bevilaqua deve gerar murmurinho no mercado

Por Juliana Siqueira

SÃO PAULO, 2 de março (Reuters) - O mercado anda tão sensível que a fraca agenda econômica desta sexta-feira deve fazer pouco para aliviar a tensão dos investidores. E nesse cenário, a saída do diretor de política monetária do Banco Central, Afonso Bevilaqua [ID:nN02220198], embora amplamente esperada, pode render especulações quanto ao rumo do juro do país, uma vez que ele era considerado o mais conservador dos integrantes do Copom.

Segundo o BC, a diretoria será acumulada, por tempo indeterminado, pelo diretor de Estudos Especiais, Mário Mesquita --ex-economista-chefe do ABN Amro.

A leitura final do índice de confiança do consumidor Reuters/Universidade de Michigan de fevereiro não deve mexer muito com os ativos. O número deve ficar em 93,5, abaixo dos 96,9 inicialmente estimado, segundo pesquisa da Reuters.

Investidores também monitoram qualquer sinal do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, sobre a postura do BC frente à atual turbulência do mercado financeiro mundial, às vésperas da reunião do Comitê de Política Monetária. Ele participa de uma seminário em São Paulo às 12h30.

Pesquisa feita na véspera pela Reuters com 18 economistas mostrou que todos esperam queda de 0,25 ponto da Selic na semana que vem [ID:nN01305443].

Depois que o mercado fechar, o chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, fala sobre globalização e política monetária no Instituto de Pesquisa em Política Econômica de Stanford.

Analistas não esperam que Bernanke diga algo muito diferente de seu depoimento ao Congresso no mês passado. Na quarta-feira, ele disse para um comitê do Congresso que o banco central não mudou sua avaliação de que a economia dos Estados Unidos está sólida.

"Ficarei bastante surpreso se ele disser algo que seja contraditório ao que ele disse na quarta-feira, que parece ter acalmado o mercado", afirmou Michael Wallace, estrategista de mercados globais da Action Economics, em San Francisco. "Ele será mais cauteloso."

Isso deve fazer com que investidores continuem focados com o desenvolvimento dos mercados acionários globais, dizem analistas, acrescentando que uma fuga para ativos seguros permanece em voga.

"Ainda há muita incerteza", disse Beth Malloy, analista de mercado da Briefing.com, em Chicago.

Na Ásia, a volatilidade ainda foi a marca da sessão. A bolsa de Xangai <.SSEC> fechou em alta, enquanto a bolsa de Tóquio <.N225> perdeu 1,35 por cento [ID:nN02233339]. Os mercados europeus chegaram a abrir em alta, mas acabaram cedendo [ID:nN02160734].

Entre as notícias corporativas, destaque para as ações da Dell <DELL.O>, segunda maior fabricante de computadores pessoais do mundo, que divulgou receita abaixo do esperado por Wall Street, provocando queda das ações no pregão eletrônico [ID:nN01417307].

Para ler a agenda do dia, clique [nN01193174]

Veja como encerraram os principais mercados na quinta-feira:

CÂMBIO <BRBY>

O dólar terminou a 2,119 reais, com queda de 0,09 por cento. O volume de negócios no segmento interbancário ficou em 3,75 bilhões de dólares.

BOLSA <.BVSP>

A Bovespa encerrou em baixa de 0,86 por cento, a 43.516 pontos. O volume financeiro foi de 4,09 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS <.BR20>

O índice de principais ADRs brasileiros caiu 0,62 por cento, aos 21.661 pontos.

JUROS <0#2DIJ:>

A maioria de contratos de depósito interfinanceiro (DI) subiu na Bolsa de Mercadorias & Futuros. O DI janeiro de 2008 subiu a 12,16 por cento, enquanto o DI janeiro de 2009 avançou para 12,05 por cento.

GLOBAL 40 <BRAGLB40=RR>

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, recuava para 133,313 por cento do valor de face, oferecendo rendimento de 5,929 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

No final da tarde, o risco Brasil estava em 195 pontos-básicos, enquanto o EMBI+ estava em 186 pontos-básicos.

TREASURIES DE 10 ANOS <US10YT=RR>

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, subia e o rendimento cedia a 4,55 por cento, ante 4,58 por cento no final da quarta-feira.

(Reportagem adicional de Nathália Ferreira e Silvio Cascione)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host