UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

13/03/2007 - 19h27

Setor imobiliário dos EUA traz "subprime" ao jargão econômico

Por Tim McLaughlin

NOVA YORK, 13 março (Reuters) - Os tropeços no segmento de crédito imobiliário de risco dos Estados Unidos trouxeram à tona um novo jargão ao vocabulário econômico, proveniente de uma indústria exaurida, mas cheia de gírias específicas.

Comece pelo próprio "crédito imobiliário de risco", o "subprime". Esse é um empréstimo para alguém com um histórico ruim de crédito. Essas pessoas pagam taxas de juros mais altas, dando mais dinheiro aos credores --enquanto os pagamentos hipotecários continuam chegando.

Inevitavelmente, o subprime tem diversas categorias.

Há os empréstimos sem documento, os "no doc". Isso acontece quando você toma um empréstimo sem dar qualquer comprovante sobre sua renda, por exemplo.

Há também os empréstimos com poucos documentos, os "low doc", quando você pega o financiamento apresentando alguns papéis sobre seu emprego ou renda.

Isto nos leva para o termo "underwriting" (garantia). Evidências sugerem que os financiadores de hipotecas não têm pedido garantias, o que tem a ver com um exame minucioso do histórico de crédito e renda.

Se um emprestador tem poucas garantias, então irá encarar uma série de "defaults". "Default" é igual a falta de pagamento, o que é igual a problema.

E o que é uma bagunça financeira sem uma pequena fraude?

A indústria "subprime" está aprendendo outra dura lição sobre os "laranjas", ou pessoas que se apresentam como tomadoras de empréstimo para ocultar a identidade do verdadeiro financiado.

Talvez a frase mais áspera no setor seja "empréstimos mentirosos". Nenhum eufemismo aqui. Empréstimos mentirosos envolvem um tomador que dá um falso comprovante de renda e um funcionário que processa a aplicação, provavelmente sabendo da operação.

Isto nos traz para o último jargão. "Overblown", ou superinchado, é uma frase ouvida em Wall Street no primeiro sinal de uma crise financeira.

Quando analistas dizem que algo está inchado como uma bolha, eles querem dizer "não acredite no que você lê nos jornais".

Mas, às vezes, o inchaço pode realmente significar "explosão".

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host