UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

21/03/2007 - 18h20

Mercados ampliam aposta em corte do Fed e têm rali

Por Nathália Ferreira

SÃO PAULO, 21 de março (Reuters) - Veio do comunicado do Federal Reserve o gatilho para que os mercados financeiros tivessem uma quarta-feira de valorização expressiva, com uma aposta maior em corte do juro norte-americano em breve.

O principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo subiu quase 3 por cento e fechou acima de 45 mil pontos, com forte volume de negócios. O dólar renovou a mínima em 10 meses e ficou mais perto do menor nível desde 2001, amparado por fortes ingressos de recursos.

O Fed manteve a taxa de juro em 5,25 por cento ao ano, conforme esperado, e reiterou seu alerta sobre a inflação. Mas o BC norte-americano retirou de seu comunicado a referência à possibilidade de "aperto adicional" da política monetária.

Com isso, os mercados nos Estados Unidos embarcaram num rali e aumentaram a aposta em um corte do juro em breve. O Dow Jones <.DJI> avançou 1,3 por cento e o termômetro tecnológico Nasdaq <.IXIC> disparou quase 2 por cento.

"Realmente não tem nada interno que atrapalhe... o problema vem da preocupação com a economia dos EUA. E, como o comunicado foi um pouco mais ameno que o esperado, o mercado todo melhorou", afirmou Carlos Alberto Ribeiro, diretor da Novação Distribuidora.

Internamente, a novidade veio da revisão das taxas de crescimento brasileiro de 2000 a 2005, por conta da nova metodologia do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Com as novas taxas, o Brasil passou em 2005 para o 10o lugar no ranking das maiores economias mundiais, que considera o PIB em valores correntes em dólares, segundo estudo da Austin Rating. Para o ministro da Fazenda, Guido Mantega, o Brasil chegou à 8a posição no mundo.

Esses dados, porém, não tiveram impacto no mercado.

Veja como encerraram os principais mercados nesta quarta-feira:

CÂMBIO <BRBY>

O dólar terminou a 2,060 reais, com queda de 0,82 por cento. O volume de negócios no segmento interbancário foi de 4,14 bilhões de dólares.

BOLSA <.BVSP>

A Bovespa encerrou em alta de 2,89 por cento, a 45.630 pontos. O volume financeiro alcançou 4,28 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS <.BR20>

O índice de principais ADRs brasileiros avançou 3,55 por cento, aos 23.051 pontos. O destaque ficou com Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) <SID.N>, com alta de 6,76 por cento.

JUROS <0#2DIJ:>

A maioria de contratos de depósito interfinanceiro (DI) caiu na Bolsa de Mercadorias & Futuros. O DI janeiro de 2008 recuou para 12,03 por cento, enquanto o DI janeiro de 2009 cedeu a 11,67 por cento.

GLOBAL 40 <BRAGLB40=RR>

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, atingiu novo preço recorde. No final da tarde, o título era cotado a 134,750 por cento do valor de face, oferecendo rendimento de 5,73 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

No final da tarde, o risco Brasil recuava 6 pontos, para 180 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 176 pontos-básicos.

TREASURIES DE 10 ANOS <US10YT=RR>

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, subia e o rendimento recuava a 4,54 por cento, ante 4,56 por cento no final da terça-feira.

(Reportagem adicional de Silvio Cascione)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host