UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

22/03/2007 - 08h31

PANORAMA1-Mercado olha "cascata" de revisões no Brasil e pós-Fed

Por Daniela Machado

SÃO PAULO, 22 de março (Reuters) - O Federal Reserve animou os mercados financeiros na véspera, e pode ter adicionado uma pitada de emoção no monitoramento dos indicadores norte-americanos.

No Brasil, a revisão em cascata de indicadores relacionados ao PIB será monitorada.

Outros dois fatores prometem chamar a atenção dos investidores. A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) decidiu, na noite de quarta-feira, aceitar a fórmula de cálculo proposta pela Arcelor Mittal <ISPA.AS> para a aquisição das ações dos minoritários da Arcelor Brasil <ARCE3.SA>, mas o colegiado do órgão determinou que o preço da oferta seja maior do que o pretendido inicialmente pelo grupo siderúrgico [ID:nN22218535].

A CVM também obteve uma decisão liminar da Justiça para bloquear as operações de dois suspeitos de terem comprados ações das empresas do grupo Ipiranga <RIPI4.SA> <RIPI3.SA> com informações privilegiadas na última sexta-feira, antes do anúncio da compra do grupo pela Petrobras <PETR4.SA>, Braskem <BRKM5.SA> e Ultra, feito na segunda-feira [ID:nN22228559].

A agenda dos Estados Unidos nesta quinta-feira é fraca, com pedidos semanais de auxílio-desemprego e o índice de principais indicadores de fevereiro. Mas qualquer pista sobre o rumo da maior economia do mundo ganha relevância após o Fed ter deixado aberta as opções futuras para a política monetária.

O BC norte-americano manteve o juro em 5,25 por cento ao ano, como esperado. No comunicado para explicar a decisão, o Fed retirou a menção à possibilidade de "apertos adicionais", ao mesmo tempo em que alertou que a inflação é o principal risco --ou seja, no balanço de riscos monitorado pelo Fed, o pêndulo parece dividido.

Na quarta-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revisou para cima a taxa de crescimento do país de 2002 a 2005.

Como consequência, importantes termômetros como a relação dívida/PIB, a carga tributária e o resultado fiscal do país serão alterados.

Para ler a agenda do dia, clique [nN21421023]

Veja como encerraram os principais mercados na quarta-feira:

CÂMBIO <BRBY>

O dólar terminou a 2,060 reais, com queda de 0,82 por cento. O volume de negócios no segmento interbancário foi de 4,14 bilhões de dólares.

BOLSA <.BVSP>

A Bovespa encerrou em alta de 2,89 por cento, a 45.630 pontos. O volume financeiro alcançou 4,28 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS <.BR20>

O índice de principais ADRs brasileiros avançou 3,55 por cento, aos 23.051 pontos. O destaque ficou com Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) <SID.N>, com alta de 6,76 por cento.

JUROS <0#2DIJ:>

A maioria de contratos de depósito interfinanceiro (DI) caiu na Bolsa de Mercadorias & Futuros. O DI janeiro de 2008 recuou para 12,03 por cento, enquanto o DI janeiro de 2009 cedeu a 11,67 por cento.

GLOBAL 40 <BRAGLB40=RR>

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, atingiu novo preço recorde. No final da tarde, o título era cotado a 134,750 por cento do valor de face, oferecendo rendimento de 5,73 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

No final da tarde, o risco Brasil recuava 6 pontos, para 180 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 176 pontos-básicos.

TREASURIES DE 10 ANOS <US10YT=RR>

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, subia e o rendimento recuava a 4,54 por cento, ante 4,56 por cento no final da terça-feira.

(Reportagem adicional de Nathália Ferreira e Silvio Cascione)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host