UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

11/04/2007 - 18h27

PANORAMA2-Fed não descarta juro maior nos EUA e abala mercados

Por Cláudia Pires e Daniela Machado

SÃO PAULO, 11 de abril (Reuters) - Os sinais do Federal Reserve de que mais aumentos do juro norte-americano podem ser necessários para domar a inflação enfraqueceram Wall Street e, por tabela, os ativos brasileiros.

O principal índice da Bovespa interrompeu cinco pregões de alta e voltou a fechar abaixo de 47 mil pontos, com volume expressivo de negócios. O dólar subiu, também atento ao leilão de swap cambial reverso e a mais uma compra do Banco Central no mercado à vista.

Na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), a maioria das projeções de juros subiu no fechamento. Mais cedo, no entanto, os contratos de depósito interfinanceiro reagiram com queda ao anúncio da troca do diretor de Política Monetária do BC.

O indicado para substituir Rodrigo Azevedo é o ex-vice-presidente do Santander Banespa Mario Gomes Torós, considerado por alguns analistas como de perfil mais técnico.

O presidente do BC, Henrique Meirelles, garantiu que as alterações na diretoria acabaram e que a saída de Azevedo não representará nenhuma descontinuidade das políticas adotadas pela instituição.

A mudança foi anunciada exatamente a uma semana da definição da Selic. Pesquisa feita pela Reuters apontou que a maioria no mercado mantém a estimativa de corte de 0,25 ponto percentual, o que colocaria o juro básico em 12,50 por cento.

O impacto da ata do Fed sobre os juros futuros dos EUA foi limitado, já que as expectativas de um corte da taxa nos próximos meses haviam sido reduzidas com o forte relatório de emprego divulgado na Sexta-Feira Santa.

Assim, as perspectivas de uma redução do juro norte-americano <FFN7> caíram para 8 por cento, ante 12 por cento mais cedo. As chances de corte em agosto <FFQ7> agora são de cerca de 25 por cento, frente a 34 por cento antes.

Veja como encerraram os principais mercados nesta quarta-feira:

CÂMBIO <BRBY>

O dólar fechou a 2,038 reais, com alta de 0,49 por cento. O volume de negócios no segmento interbancário foi de 2,76 bilhões de dólares.

BOLSA <.BVSP>

A Bovespa encerrou em baixa de 0,5 por cento, a 46.939 pontos. O volume financeiro alcançou 4,33 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS <.BR20>

O índice de principais ADRs brasileiros recuou 0,86 por cento, aos 24.134 pontos.

JUROS <0#2DIJ:>

A maioria dos contratos de depósitos interfinanceiros (DI) na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) subiu no fechamento, após recuar pela manhã. O DI maio de 2007 encerrou em leve baixa, a 12,49 por cento. O DI janeiro de 2008 avançou a 11,90 por cento.

GLOBAL 40 <BRAGLB40=RR>

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, recuava para 134,750 por cento do valor de face no final da tarde, oferecendo rendimento de 5,70 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

No final da tarde, o risco Brasil caía 2 pontos, para 156 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 157 pontos-básicos.

TREASURIES DE 10 ANOS <US10YT=RR>

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, cedia e o rendimento subia a 4,74 por cento, ante 4,72 por cento no final da terça-feira.

(Reportagem adicional de Angela Bittencourt e Silvio Cascione)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host