UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

16/04/2007 - 08h25

Juro no Brasil e inflação nos EUA marcam semana pós-G7

Por Daniela Machado

SÃO PAULO, 16 de fevereiro (Reuters) - A definição do juro básico brasileiro, a insistente queda do dólar frente ao real e mais dados sobre a inflação nos Estados Unidos dominam a atenção dos investidores nos próximos dias.

No final de semana, os ministros de finanças do G7 reforçaram a visão de que a economia global está se tornando mais equilibrada, mas mantiveram a pressão para que a China deixe sua moeda flutuar mais livrimente. No comunicado, não houve destaque para a fraqueza da moeda japonesa.

No Brasil, o dólar encerrou a sexta-feira novamente em queda, renovando as apostas em uma cotação abaixo de R$ 2 em breve.

Para alguns analistas, a redução mais rápida da Selic contribuiria para brecar a valorização do real, mas essa não é a expectativa para o encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) desta semana.

Pesquisa da Reuters mostrou que 19 de 20 analistas prevêem corte da Selic em 0,25 ponto percentual na quarta-feira.

Nos EUA, o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) será divulgado na terça-feira e a expectativa de economistas é de que o núcleo tenha subido 0,2% em março na comparação mensal.

O núcleo do índice de preços ao produtor (PPI) em março, já anunciado, animou investidores por mostrar estabilidade e minimizar o temor de aumento do juro pelo Federal Reserve.

Veja como encerraram os principais mercados na sexta-feira:

Câmbio

O dólar fechou a R$ 2,022, com baixa de 0,64%. O volume de negócios no segmento interbancário foi de US$ 5,5 bilhões.

Bolsa

A Bovespa encerrou em alta de 1,22%, a 47.926 pontos, depois de atingir o recorde de 47.967 pontos na máxima do dia. O volume financeiro foi de R$ 3,7 bilhões.

ADRs brasileiros

O índice de principais ADRs brasileiros avançou 1,47%, aos 24.641 pontos.

Juros

Na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), o contrato de depósito interfinanceiro (DI) de prazo mais curto, DI maio de 2007, fechou em leve baixa, a 12,46 por cento, apontando corte de exatos 0,25 ponto da taxa Selic que entra em vigor no dia 19. O DI janeiro de 2008 caiu a 11,90 por cento; o DI janeiro de 2009 recuou a 11,53%; e o DI janeiro de 2010, a 11,38% ao ano.

Global 40

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, era negociado a 134,813% do valor de face e oferecendo rendimento de 5,692% ao ano.

Risco-país

No final da tarde, o risco Brasil recuava 3 pontos, para 153 pontos-básicos, nova mínima histórica. O EMBI+ estava em 158 pontos-básicos.

Treasuries de 10 anos

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, operava em leve queda e o rendimento estava em 4,76%.

(Reportagem adicional de Angela Bittencourt, Silvio Cascione e Cláudia Pires)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host